Mesmo com reajuste da Petrobras, gasolina e diesel continuam defasados
Fernanda Capelli
Mesmo com reajuste da Petrobras, gasolina e diesel continuam defasados

Apesar do reajuste anunciado pela Petrobras de 18,8% na gasolina e 24,9% no diesel,  os valores dos combustíveis vendidos no Brasil ainda estão defasados em relação aos preços praticados no mercado internacional.

De acordo com a Abicom, que reúne os importadores, e a GSB Consultants, a defasagem na gasolina, após o reajuste anunciado nesta quinta-feira (10), ficará entre 8% e 10% no Brasil ante o valor internacional.

Entre no c anal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

No caso do diesel, o valor vendido pela Petrobras continua, mesmo após o reajuste, entre 9% e 11% menor em relação aos preços cobrados no exterior.

O valor dessa desafagem varia a todo momento, pois depende da cotação do petróleo no mercado internacional. Quando o valor do barril subiu para quase US$ 140, a defasagem aqui chegou a 40% no diesel e 30% na gasolina. Depois, com o recuo da cotação internacional, a diferença foi reduzida. 

Leia Também

'Voltamos para defasagens pré-guerra'

Segundo Sergio Araujo, presidente da Abicom, apesar do reajuste, os preços da Petrobras permaneceram defasados por quase todo esse ano, o que prejudicou as importações de empresas privadas ao longo de todo esse ano.

"Esse ano os nossos associados não fizeram importação alguma. Por isso, há o risco de desabastecimento pontual no diesel. As refinarias aqui não conseguem atender a demanda em diesel. A decisão de hoje da Petrobras de reajustar leva de 30 a 45 dias até os importadores comprarem combustível e o produto chegar aqui" disse Araujo. "Voltamos para defasagens pré-guerra".

O consultor Gustavo Oliveira de Sa e Benevides, da  GSB Consultants, destacou que a falta de reajuste da Petrobras vem impactando as importações de diversas empresas, o que inclui grandes companhias com atuação no Brasil. Ontem, a Ipiranga informou que está restringindo a venda de diesel.

Segundo ele, se a Petrobras não fizesse o aumento nesta quinta-feira, poderia aumentar o risco de falta de combustível no Brasil.

"Estávamos muito defasados por conta da guerra na Ucrânia, que elevou o preço dos combustiveis. Apesar do reajuste, a defasagem ainda continua", disse Benevides.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários