Governo quer apresentar proposta para subsidiar combustíveis
Reprodução: iG Minas Gerais
Governo quer apresentar proposta para subsidiar combustíveis

O governo federal aguarda a votação pelo Senado dos projetos que tratam do preço dos combustíveis antes de anunciar uma medida concreta para o setor. Embora a maior parte dos ministros defendam a adoção de um subsídio para segurar os preços, essa estratégia ainda encontra resistências no Ministério da Economia.

O tema foi discutido em mais uma reunião no Palácio do Planalto, na manhã desta quarta-feira. O presidente Jair Bolsonaro discutiu o assunto com os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira; da Economia, Paulo Guedes; de Minas e Energia, Bento Albuquerque; e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

O presidente chegou a cancelar uma viagem a Duque de Caxias — onde iria distribuir 2 mil aparelhos auditivos — para conduzir a reunião.O governo corre para tentar minimizar os estragos causados pela guerra na Ucrânia, que estão fazendo o barril de petróleo disparar, por conta das sanções aplicadas à Rússia pelo Ocidente.

O governo defende a aprovação de um projeto, chamado de PLP 11, que muda a forma como o ICMS é calculado. Hoje, o imposto estadual é fixado com base num percentual sobre o valor do combustível — quando o valor sobe, portanto, o ICMS também sobe. O projeto muda essa cobrança para um valor fixo em centavos.

Na prática, essa mudança irá reduzir o valor do ICMS, com impacto na bomba. A equipe econômica espera que as mudanças apresentadas no projeto represente um impacto de cerca de R$ 0,80 no litro da gasolina.

O texto também deve embutir a redução a zero dos impostos federais sobre o óleo diesel, com um pacto de cerca de R$ 0,70 na bomba. Essa desoneração, de R$ 18 bilhões, já estava sendo discutida no governo mesmo antes da crise na Ucrânia.

Além disso, im dos textos a ser votado pelo Senado deve dobrar o alcance do vale-gás, a um custo de R$ 1,9 bilhão. Hoje, o programa beneficia 5,5 milhões de famílias, e poderá alcançar 11 milhões.

Leia Também

Para auxiliares de Guedes, apenas se essas ações não surtirem efeito, é que outras medidas podem ser discutidas. Essa posição, porém, é minoritária. Diversos ministros do governo defendem a adoção de subsídios para segurar o preço.

Quer ficar bem informado sobre tudo que acontece na economia do Brasil e do Mundo? Acompanhe o  canal do Brasil Econômico no Telegram

A Petrobras reajusta seus preços seguindo a variação do dólar e o preço do barril de petróleo, política que está em xeque e é criticada por Bolsonaro e membros do Congresso Nacional. A revisão da política de preços da estatal deixou de ser tabu e já é discutida abertamente no governo.

A estatal não reajusta o preço dos combustíveis há mais de 50 dias e, na última alta, o barril de petróleo estava na casa de US$ 80. Agora o valor do barril supera US$ 120. Já, portanto, um descasamento entre os preços do mercado internacional os valores cobrados na bomba.

Apenas segurar os preços via Petrobras, porém, pode não ser uma saída. Executivos do setor de distribuição e importação de combustíveis alertaram para o risco de desabastecimento, caso haja um descasamento entre os preços internos e o mercado internacional — já que a Petrobras responde por 80% do mercado nacional, e não pelo todo, como já ocorreu.

Executivos do setor de petróleo ouvidos nesta semana alertaram para o risco de desabastecimento, especialmente do óleo diesel, caso o descasamento de preços continue.

Números que circularam nesta semana no Palácio do Planalto nesta segunda-feira apontam para um subsídio de três meses, que poderia custar cerca de R$ 25 bilhões, recursos necessários para manter o preço dos combustíveis no atual patamar. Para isso, seria necessário editar um crédito extraordinário, fora do teto de gastos (a regra que trava as despesas federais).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários