Cédulas
pixbay
Cédulas

O valor médio do  "dinheiro esquecido" que cada cliente vai receber ainda não foi divulgado pelo Banco Central. Mas o fato é que, a partir de hoje, R$ 4 bilhões que estavam parados em instituições financeiras vão começar a voltar para os clientes. Diante da possibilidade de uma grana extra, o que é recomendável fazer? A educadora financeira da plataforma Acordo Certo, Bruna Allemann, listou dicas para os sortudos não desperdiçarem o montante: quitar dívidas, fazer uma reserva de emergência, antecipar um financiamento, guardar recursos para a educação de filhos e para um curso de capacitação e, por último, pensar na aposentadoria.

"Uma pessoa endividada não consegue evoluir profissionalmente, pessoalmente e financeiramente. Esse comportamento precisa ser cortado pela raiz. Então, entre em sites de renegociação de dívidas e comece a ver se consegue um bom desconto, principalmente se for para pagar à vista. Não parcele. Se conseguir quitar totalmente as dívidas, é uma página nova da sua vida financeira", diz.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Bruna ensina como fazer uma reserva de emergência:

"Esses recursos são uma segurança financeira para o caso de desemprego e consequente redução de renda. Para fazer isso, basta juntar todos os custos fixos e multiplicar por seis. Dessa forma terá uma noção de sua despesa mensal. A partir daí, junte um percentual do valor recebido mês a mês até chegar nesse valor. Para o dinheiro não ficar parado, o cliente pode aplicar o dinheiro em contas remuneradas, como em um banco digital, que rende 100% do CDI."

"Antecipe as parcelas do financiamento do carro ou da casa. A partir do momento em que se consegue antecipar as parcelas da dívida futura, geralmente, se obtém desconto na taxa de juros, e isso acaba compensando. Até porque juros queremos receber e não pagar", diz Bruna.

Leia Também

A educação (própria e dos dependentes) também requer economia. O ideal é separar parte da quantia para fazer a poupança da educação, se o montante a receber for razoável.

"Fazer cursos de capacitação, especialização ou até investir na conclusão do curso superior é essencial. Essa pode ser uma oportunidade de ter uma poupança para os estudos", diz Bruna: "Em último lugar: invista na aposentadoria. Geralmente, o valor pago pelo INSS é muito baixo. Invista no seu futuro para se aposentar aos 65 anos, sem precisar trabalhar para completar a renda."

Nunca é demais anotar todos os gastos

Para fazer o levantamento de quanto gasta para fazer uma reserva financeira, no entanto, é preciso organizar as contas e economizar. A primeira dica é saber para onde vai o próprio dinheiro. A forma de conhecer as próprias despesas é anotar todos os gastos mensais. Separe em categorias como aluguel, alimentação, lazer, contas da casa, produtos pessoais, transporte, prestações e perceba, se em alguns desses pontos, há algum desequilíbrio. Identificar o problema é o primeiro passo para poder agir de forma precisa ao que mais impacta no orçamento.

Quem vai ao mercado sempre passa pelas gôndolas de supérfluos. Leve sempre em conta que, quanto mais rápida a ida às compras, menor o gasto em itens desnecessários. Outra dica é observar os preços de produtos não perecíveis que podem ser adquiridos em maiores quantidades. Pacotes maiores, em alguns casos, acabam sendo mais econômicos.

Fique alerta com pequenos desperdícios: evite eletrodomésticos ligados em stand by e banhos demorados, por exemplo. Outra dica é pesquisar e planejar suas compras. É comum que supermercados tenham ofertas em dias específicos para determinados setores, como dia da feira, dia da limpeza, dia do açougue e por aí vai. Procure se organizar para comprar esses itens nos dias em que estiverem com os melhores preços.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários