Dinheiro na mão
José Cruz/ Agência Brasil
Dinheiro na mão

A partir desta segunda-feira (7), quem tem "dinheiro esquecido"  nos bancos vai poder conferir o valor e pedir o resgate dos recursos. Segundo o Banco Central, devem ser sacados cerca de R$ 4 bilhões por 28 milhões de clientes - pessoas físicas e empresas.

Até a última sexta-feira, 116.808.865  clientes acessaram o sistema do Banco Central para saber se tinham recursos a resgatar. Desses, 25,9 milhões de contas pessoas físicas e 253 mil de pessoas jurídicas têm alguma quantia a receber. Mas 90,6milhões não têm saldo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

A consulta e o resgate são feitos exclusivamente pelo site  https://valoresareceber.bcb.gov.br/ , lançado pelo Banco Central, e devem seguir o calendário que considera a data de nascimento do cliente ou de criação da empresa.

Veja calendário de agendamento para resgate
São três possibilidades:

  • Quem nasceu antes de 1968 ou abriu a empresa antes desse ano terá uma janela de 7/3 a 11/3 para consultar e solicitar o resgate dos recursos. A data de repescagem é 12/3;
  • Quem nasceu entre 1968 e 1983 ou abriu empresa neste período terá uma janela de 14/3 a 18/3. A data de repescagem é 19/3;
  • Quem nasceu após 1983 ou abriu empresa após esse ano terá uma janela de 21/3 a 25/3. A data de repescagem é 26/3;

E se eu perder o agendamento ou a repescagem?

Se você perdeu a data do agendamento, basta entrar novamente no site  valoresareceber.bcb.gov.br e solicitar novo acesso. O sistema vai informar nova data para o retorno.

Haverá ainda uma data para repescagem de acordo com a data do nascimento, como acontece com a vacinação contra a Covid.

Se você também perder seu sábado de repescagem, poderá consultar ou solicitar o resgate do saldo existente a partir de 28/03/2022.

Se eu não resgatar no prazo, perco o dinheiro?

Não. Mesmo se você não consultar ou solicitar o resgate do saldo existente em todas essas datas, não se preocupe, pois isso não afeta seu direito sobre os recursos a devolver.

Eles são seus e continuarão guardados pelas instituições financeiras o tempo que for necessário, esperando até que você solicite o resgate.

Como sacar os valores

Conforme divulgado pelo BC, a partir desta segunda, os cidadãos poderão consultar seus saldos e pedir o resgate de valores na data de seu agendamento no Sistema Valores a Receber do Banco Central. Para isso, bastará que sigam esses passos:

Passo 1

Acessar o site valoresareceber.bcb.gov.br. O primeiro acesso ao site do BC permite ver se há dinheiro a receber, mas não mostra o valor a ser devolvido.

Ao fazer a consulta, o cliente do banco recebe uma data e período para consultar o saldo e solicitar o resgate. A página vai informar uma data para consultar os valores e solicitar o saque – anote esta data.

Leia Também

Passo 2

Fazer login com sua Conta Gov.br (nível prata ou ouro) em sistema mantido pelo Ministério da Economia. Se o cidadão ainda não possuir conta nesse nível, deve fazer logo seu cadastro ou aumentar o nível (se sua conta for bronze) no site ou no aplicativo Gov.br. O cidadão não deve deixar esse movimento para o dia do resgate.

Passo 3

Ler e aceitar o Termo de Responsabilidade

Passo 4

Consultar:

  • o valor a receber;
  • a instituição que deve devolver o valor;
  • a origem (tipo) do valor a receber; e
  • informações adicionais, quando for o caso.
  • Passo 5
  • Clicar na opção que o sistema indicar: 

"Solicitar por aqui" significa que a instituição oferece a devolução do valor via Pix no prazo de até 12 dias úteis:

  • selecionar uma das chaves Pix e informar os dados pessoais;
  • guardar o número de protocolo, se precisar entrar em contato com a instituição.

"Solicitar via instituição" significa que a instituição não oferece a devolução por Pix no prazo de até 12 dias úteis: entrar em contato pelo telefone ou e-mail informado para combinar com a instituição a forma de devolução do valor.

BC vai liberar consultas a novo lote em maio

Quem não encontrar valores a receber nesta etapa poderá ter recursos nas próximas fases.

Em 2 de maio, as consultas a uma nova fase serão abertas. É a essa segunda etapa que se refere a mensagem que aparece para muitos clientes que acessam o sistema (veja na imagem mais abaixo).

O BC estima em R$ 8 bilhões o valor total a ser devolvido aos clientes em 2022.

Entenda as fases da devolução

Na primeira fase do serviço são cerca de R$ 4 bilhões de valores a serem devolvidos para físicas e jurídicas. Os valores decorrem de:

  • contas-correntes ou poupança encerradas com saldo disponível;
  • tarifas e parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, desde que a devolução esteja prevista em Termo de Compromisso assinado pelo banco com o Banco Central;
  • cotas de capital e rateio de sobras líquidas de beneficiários e participantes de cooperativas de crédito; e

recursos não procurados relativos a grupos de consórcio encerrados.
O restante dos valores será disponibilizado a partir de maio e no decorrer deste ano de 2022, fruto de: 

  • tarifas e parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, previstas ou não em Termo de Compromisso com o BC;
  • contas de pagamento pré-paga e pós-paga encerradas com saldo disponível;
  • contas de registro mantidas por corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários encerradas com saldo disponível; e
  • outras situações que impliquem em valores a devolver reconhecidas pelas instituições.

Os valores esquecidos nos bancos referentes a esta primeira fase serão devolvidos a partir de 7 de março. Para os demais valores, ainda não foram informadas as datas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários