Corte no IPI
Pixabay
Corte no IPI

A redução linear na alíquota do IPI , anunciada nesta quinta-feira pelo governo, vai reduzir as receitas dos entes federados em R$ 11,923 bilhões neste ano, sendo R$ 6,066 bilhões para os estados e R$ 5,857 bilhões para as prefeituras, segundo projeção do Comitê de Secretários de Estado da Fazenda (Comsefaz).

Isso porque a arrecadação federal com o tributo é compartilhada pela União com esses entes via Fundos de Participação. Segundo o diretor institucional do Comsefaz, André Horta, a maior preocupação é com os efeitos da queda das receitas na prestação dos serviços públicos que servem à população mais pobre.

"Não houve nenhuma medida de compensação. A União poderia reduzir tributos que os estados e municípios pagam para ela, mas não fez nada disso", afirmou.

Para Jeferson Passos, presidente da Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais, as cidades mais populosas e com menor Produto Interno Bruto (PIB) per capita serão mais afetadas pela medida por causa dos critérios de transferência dos Fundos de Participação.Segundo ele, capitais do Nordeste, como Fortaleza, Recife e Salvador serão mais atingidas.

Passos lembrou que os orçamentos foram elaborados com base nas projeções de receita da própria União e que o corte chega de forma abrupta - o que vai exigir dos entes uma reprogramação, com corte em áreas prioritárias.

"Haverá perdas para as áreas de educação e saúde, nossas maiores despesas", disse.

O governador do Piauí, Wellington Dias, classificou a medida de “desespero eleitoral”. Lembrou que o governo não dá um passo para aprovar a reforma tributária.

Leia Também

"É puro desespero eleitoral. Todos sabem que, com base na Lei de Responsabilidade Fiscal e Lei Eleitoral, é mais uma medida ilegal, mais um projeto para desequilibrar Estados e Municípios. Cabe inclusive analisar, pois é possível que este ato se enquadre como crime eleitoral", disse o governador.

A secretária estadual de Economia, Cristiane Schmidt, reforçou que a medida é mais um duro golpe contra as receitas dos entes federados. Para Goiás, o impacto fica entre R$ 150 milhões e R$ 170 milhões ao ano.

"É dinheiro que a gente poderia investir para atender melhor a população. É muito complicado porque você está reduzindo as receitas não só neste ano, mas no futuro também", destacou a secretária.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

O deputado Marcelo Ramos (PSD-AM), afirmou que vai entrar com representação contra o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo ele, o decreto com o corte no IPI é ilegal.

Na visão do parlamentar, a medida vai afetar a Zona Franca de Manaus, que é isenta do tributo, e sacrificar a indústria nacional que recebe incentivo, como o setor de informática, eliminando empregos.

"Ajuizarei imediatamente uma representação por crime eleitoral contra o presidente, pedindo a suspensão do decreto", afirmou Ramos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários