Reunião sobre privatização da Eletrobras é suspensa
Getty Images
Reunião sobre privatização da Eletrobras é suspensa

A Assembleia Geral Extraordinária da Eletrobras, essencial para permitir a privatização da estatal, foi suspensa nesta terça-feira (22), pouco menos de duas horas depois de ter sido iniciada, às 14h.

A assembleia é importante para permitir o processo de venda da estatal. Na pauta do encontro, os acionistas vão votar para aprovar ou não o aumento de capital da empresa que será feito através de uma oferta de ações.

Com o aval dos acionistas, é o Conselho quem vai definir o preço e cronograma do aumento de capital, que deve ocorrer até meados de maio.

É durante essa emissão de ações, caso aprovada, que a União irá reduzir sua fatia dos atuais 70% do capital votante para 45%, já que o governo não vai participar da operação.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Leia Também

Segundo uma fonte, a assembleia foi suspensa após críticas feitas por um acionista. A previsão de presentes ao encontro é que a Assembleia não acabe nesta terça.

A pauta da Eletrobras conta com 12 itens. Todos deverão ser aprovados para permitir que a processo de privatização seja feito.

Os acionistas deverão ainda aprovar a reestruturação societária da estatal, com a criação da Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional (ENBPar), que será a dona da Eletronuclear e de Itaipu. Na pauta está ainda ainda mudanças no estatuto social da Eletrobras e a criação de uma golden share.

No último dia 15 de fevereiro, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou a primeira e mais importante fase do processo que analisa a privatização da Eletrobras, que o governo pretende realizar até maio deste ano.

Foram 6 votos a favor da posição a respeito dos valores envolvidos na operação do governo e uma manifestação contrária, do ministro Vital do Rêgo. Apenas sete ministros votam neste processo, mesmo o TCU sendo composto por nove.

No total, o governo calculou em R$ 67 bilhões os valores relacionados à privatização. Desse valor, R$ 25,3 bilhões serão pagos pela Eletrobras privada ao Tesouro Nacional pelas outorgas das usinas hidrelétricas que terão os seus contratos alterados. Serão ainda destinados ainda R$ 32 bilhões para aliviar as contas de luz a partir deste ano por meio do fundo do setor elétrico, a Conta de Desenvolvimento Energética (CDE). Ambos os valores deverão ser aprovados pelos acionistas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários