Agência da Movida
Fernanda Capelli
Agência da Movida

Uma usuária do serviço de locação mensal de veículos da Movida afirma ter tido o carro desligado enquanto dirigia em uma rodovia federal na terça-feira, 25 de janeiro. A especialista em Social Selling, Louise Moura Cruz, afirma que quatro dias antes do ocorrido havia sido contatada pela empresa que relatou haver dois meses de aluguel em aberto. Na ocasião, a cliente diz ter enviado os comprovantes de pagamento.

Louise relata que não obteve qualquer retorno da empresa após o envio dos documentos. Na terça, pouco depois das 17h30, o carro “apagou” enquanto ela dirigia em uma BR.

“Quando liguei para a assistência 24hrs, eles relataram que não era uma pane, e sim um BLOQUEIO remoto, pois o carro estava em apropriação indébita por inadimplência”, escreveu ela em relato publicado em seu perfil no LinkedIn.

Apesar de ter tentado explicar que enviara os comprovantes de pagamento, não conseguiu atendimento.

“Liguei para a gerente da loja, a mesma que eu havia enviado os comprovantes na sexta-feira, e ela disse que não podia fazer nada, pois estava fora do expediente. Fiquei sozinha, no acostamento de uma BR, até vir um familiar ao meu auxílio”, sublinhou a usuária do serviço.

A Movida está a par da manifestação de Louise e enviou ao GLOBO o mesmo posicionamento que publicou em resposta à postagem da cliente.

Leia Também

A nota afirma que a empresa “encaminhou o assunto à prestadora de serviços de monitoramento, uma vez que o sistema de bloqueio não é acionado, em nenhuma hipótese, com o carro em movimento”. Frisou ainda que “se mantém à disposição para regularização dos débitos pela cliente, conforme informado em todos os contatos que lhe foram realizados anteriormente”.

Leia Também

Além disso, a empresa diz que "tomou ciência da manifestação da cliente, se solidariza em sua indignação visto que o sistema de bloqueio não deve ser acionado, em nenhuma hipótese, com o carro em movimento".

Leia Também

"Nos desculpamos e tomamos todas as providências em relação ao atendimento que ela recebeu, reforçando nossa preocupação com os nossos clientes e para que a situação não volte a ocorrer. Comunicamos o assunto imediatamente à empresa responsável pelo controle do monitoramento e suspendemos o sistema temporariamente”, finaliza a nota da Movida.

Questionada sobre a não prestação de auxílio à cliente e a opção por negar os argumentos da usuária antes de apurar o ocorrido, a Movida ainda não respondeu.

Na publicação de Louise, chama a atenção outros diversos relatos de usuários da Movida que tiveram problemas similares, com falha recorrente no atendimento ao usuário, inclusive em pedidos de socorro por panes no veículo.

Professor de direito do consumidor e ex-diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita considera a conduta absurda e chama atenção para o fato de que a tecnologia é bem-vinda, mas que da forma como foi usada se torna um risco para toda a sociedade:

"É grave o ocorrido com a consumidora. E, afeta a toda sociedade, pois poderia ter causado um grave acidente. A responsabilidade é do prestador de serviço e sua conduta viola os direitos mais elementares dos consumidores, como a proteção à vida e a segurança", ressalta Morishita.

Confira o posicionamento completo da Movida

" A empresa tomou ciência da manifestação da cliente, se solidariza em sua indignação visto que o sistema de bloqueio não deve ser acionado, em nenhuma hipótese, com o carro em movimento. Nos desculpamos e tomamos todas as providências em relação ao atendimento que ela recebeu, reforçando nossa preocupação com os nossos clientes e para que a situação não volte a ocorrer. Comunicamos o assunto imediatamente à empresa responsável pelo controle do monitoramento e suspendemos o sistema temporariamente ."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários