Lei que garante proteção a entregadores de app na pandemia traz segurança jurídica à categoria, diz especialista
Pedro Knoth
Lei que garante proteção a entregadores de app na pandemia traz segurança jurídica à categoria, diz especialista

Depois de quase dois anos de pandemia,  o presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou a Lei 14.297, que estabelece medidas de proteção para entregadores de empresas de aplicativo. Para especialista, o projeto em vigor é um marco importante para o período pós-Covid e pode ser base para futuras leis que visem à regulamentação deste tipo de relação de trabalho.

"A lei é muito positiva para os trabalhadores. Mas é importante incluir na responsabilidade pela garantia dos direitos não só os aplicativos utilizados como intermediadores, mas também os estabelecimentos nos quais os entregadores retiram a encomenda. É um passo a frente para dar uma maior segurança jurídica para este tipo de trabalho que há tanto tempo pede por regulamentação específica", afirma o advogado trabalhista e sócio da Advocacia Maciel, Pedro Maciel.

O projeto foi aprovado pelo Congresso Nacional em dezembro de 2021. Ele prevê que as empresas de aplicativo garantam acesso à água, álcool em gel e máscaras, além de seguro e assistência financeira aos entregadores em caso de afastamento do trabalho por infecção.

Pedro Maciel lembra que o trabalho de entregas por meio de aplicativos como iFood, Uber Eats e Rappi não tem regulamentação consolidada, não só no Brasil mas como na grande maioria dos demais países do mundo.

Leia Também

"A Lei 14.297 tem caráter emergencial dada a nova onda de casos confirmados de infecção pelo vírus da Covid-19, tendo a sua eficácia sido limitada apenas enquanto perdurar a pandemia no país. No entanto, a criação dos referidos direitos cria precedentes importantes para os entregadores, que há muito tempo reclamam por condições melhores de trabalho", destaca o especialista.

O advogado ressalta que esses novos direitos são um mínimo necessário para uma boa condição de trabalho aos profissionais. "Inclusive, tem sido positiva a reação das empresas como o iFood para a criação da lei, que afirmou o apoio ao entregador com seguros de acidentes gratuitos desde o ano de 2019".

"A lei ressalta o fato de que os direitos adquiridos não influem na caracterização da relação de trabalho entre os aplicativos e os entregadores, tendo em vista que até a presente data não foi criada legislação para este tipo de trabalho via aplicativos de economia compartilhada, regulamentação que não pode ser criada de forma emergencial", completa Maciel.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários