Bancos preveem recessão no Brasil em 2022
Mister Shadow / ASI / Agência O Globo
Bancos preveem recessão no Brasil em 2022

O Credit Suisse revisou nesta sexta-feira (12) suas expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) do país e passou a prever recessão econômica no Brasil em 2022. A projeção passou de alta de 0,6% para queda de 0,5% no ano que vem. Se confirmada, será a quarta contração do PIB brasileiro em oito anos.

Com a revisão negativa, o Credit Suisse passa a ser o segundo banco relevante a prever recessão no Brasil. Em 25 de outubro, o Itaú Unibanco já havia anunciado estimativa de retração de 0,5% para o PIB brasileiro de 2022.

Para 2021, o Credit Suisse revisou para baixo a estimativa para o PIB de 5% para 4,8%. A revisão foi anunciada nesta sexta-feira após a divulgação do resultado do setor de serviços no mês de setembro, que registrou queda de 0,6% . O dado surpreendeu analistas, que esperavam alta de 0,6%, de acordo com a agência Reuters.

O resultado dos serviços se soma ao desempenho negativo do comércio e da indústria no mês de setembro, que registraram quedas de 1,3% e 0,4%, respectivamente. Ainda nesta semana, o IBGE divulgou a inflação de outubro, que já chega a 10,67% em 12 meses - mesmo patamar de 2015, quando o país enfrentava recessão.

"O resultado de hoje reforça o cenário de piora da atividade econômica que tem sido visto nos últimos meses", escreveram em relatório Solange Srour, economista-chefe do Credit Suisse no Brasil, e Lucas Vilela, economista do banco.

Os dados também vieram aquém da expectativa do Itaú, o que deve fazer com que o banco revise para baixo já neste mês suas projeções de crescimento para a economia brasileira deste ano, segundo o economista-chefe do banco, Mário Mesquita.

"Os dados de comércio e serviços vieram abaixo do que a gente esperava. Por ora, projetamos um crescimento de 5% em 2021, mas com esses dados é possível que a gente tenha de rever para baixo", disse o economista-chefe do Itaú. A inflação, segundo ele, tem contido o consumo e a confiança das famílias e influenciado a desaceleração econômica.

A prévia da inflação de outubro medida pelo IPCA-15, que chegou a 1,20%, também surpreendeu negativamente o Itaú. O indicador é o maior para o mês desde 1995. Por isso, o banco deve aumentar também sua estimativa para a  inflação deste ano.

"A gente esperava menos (inflação), a gente estava com (previsão de) 1,04%. Veio um pouco acima a inflação e dado o estágio que a gente está do ano, mais para o final, é bem possível que essa surpresa inflacionária nos leve a revisar para cima a projeção de inflação de 2021 e não descarto termos de rever 2022 também", afirmou Mesquita a jornalistas.

Energia elétrica

Outro fator que deverá fazer com que o Itaú auemnte sua estimativa de inflação para 2022 é a alta na conta de luz. No atual cenário, o banco prevê reajuste médio das distribuidoras que compõe o IPCA em 9,5%. Nesta sexta-feira, no entanto, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou projeção de que as contas de luz subam 21,04% no ano que vem .

Leia Também

O indicador da Aneel considera uma média nacional de reajuste. Se se concretizar, o reajuste se soma a uma série de aumentos já vistos neste ano por conta da crise hídrica que deixou o país sob ameaça de apagão de eletricidade. Apesar do risco de racionamento ainda existir, tem se reduzido com as chuvas registradas nos últimos dois meses.

"A estimativa do banco para a taxa Selic também pode ser revisada. Se uma surpresa inflacionária de curto prazo levar a um aumento do risco inflacionário, achamos que o BC vai reagir e vamos levar isso em conta na hora de formular a projeção", disse o economista-chefe do Itaú. A estimativa atual é de uma elevação da Selic até 11,25% em 2022.

Para Mesquita, é a política monetária contracionista promovida pelo Banco Central para combater a alta inflacionária, um dos principais vetores de desaceleração da economia para 2022. "Nossa estimativa é que para cada 1% de aumento no juro real tem depois de 12 meses uma queda parecida no crescimento do PIB", salientou.

Inflação acima do teto de novo em 2022

O Credit Suisse enfatizou que a dinâmica fraca da atividade econômica se deve a uma combinação de ventos contrários de curto prazo, entre eles, a escassez global de insumos. Mas há fatores mais persistentes no cenário, como a inflação.

Os economistas preveem inflação em 6,0% no ano que vem, acima do teto da meta de inflação estabelecida pelo Banco Central, de 5,0%.

"O alto nível atual de inflação provavelmente permanecerá elevado devido à alta inércia no país; é improvável que o aperto recente das condições financeiras recue fortemente, dado que a taxa de política monetária provavelmente aumentará muito mais e o quadro fiscal foi recentemente enfraquecido; incerteza em relação ao cenário político provavelmente permanecerá alta até que as eleições presidenciais terminem no próximo ano; e as perspectivas para os mercados emergentes tornaram-se mais desafiadoras com taxas de política monetária mais apertadas nos países desenvolvidos", listaram os economistas, em relatório.

A Armor Capital também piorou as projeções para este ano e o próximo. Para 2021, a gestora prevê avanço de 4,6% ante 4,7% e, para 2022, revisou alta de 0,2% para retração de 0,2%, com viés de baixa.

Para Andrea Damico, economista-chefe da gestora, alguns elementos têm afetado os últimos dados de atividades. O principal deles é a inflação, que impõe restrições ao orçamento das famílias, reduzindo o consumo de bens e serviços. Há ainda a elevação da Selic para acima do patamar neutro; o cenário eleitoral com “dois candidatos populistas”, deixando investimentos em espera; e a reversão da política monetária pelo Fed diante da inflação, o que afeta a economia dos países emergentes.

"A inflação acabou impedindo que ocorresse certa euforia do consumo com a reabertura, mas não imaginávamos que isso já começasse a aparecer em serviços. E (a Selic alta) é o remédio amargo que a economia brasileira vai precisar tomar para se ver livre dessa inflação. Estou pessimista com o crescimento no ano que vem."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários