Caminhoneiros começaram a greve nesta segunda-feira
Reprodução: iG Minas Gerais
Caminhoneiros começaram a greve nesta segunda-feira

O deputado federal, Nereu Crispim (PSL-RS), disse que caminhoneiros autônomos se sentem traídos pelo presidente Jair Bolsonaro em relação às demandas da categoria. A declaração foi dada ao UOL nesta segunda-feira (01), data em que começou a paralisação de parte dos profissionais.

Crispim fez questão de ressaltar as promessas de Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018. Na época, o então candidato se posicionava contra a política de preços da Petrobras.

"A categoria dos caminhoneiros se sente traída pelo presidente Jair Bolsonaro, que lá em 2018 falava da problemática dessa política de preços da Petrobras", afirmou.

O representante da Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros lembrou das negociações feitas com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas. Nereu Crispim criticou Freitas pela falta de atenção aos caminhoneiros nos últimos anos.

"O ministro Tarcísio, que era a pessoa responsável por ser interlocutor com essa categoria, até então, durante esses dois anos e meio, não fez nenhuma entrega. É uma pessoa hoje, inclusive, que não é muito bem vista dentro da categoria dos caminhoneiros", criticou o parlamentar.

Vilão dos combustíveis

Em entrevista, o deputado ressaltou que a culpa na alta do preço dos combustíveis não é do ICMS dos estados. Essa foi umas das desculpas que Bolsonaro deu para o reajuste dos valores nas bombas.

Leia Também

Crispim afirma que o valor dos combustíveis é culpa da política de preços da Petrobras. A estatal considera o valor do dólar no Brasil e o preço do barril do petróleo no mercado internacional.

"Sabemos veementemente que não é o ICMS o vilão. O vilão disso tudo é exatamente essa política de preço baseada no dólar, baseada na variação do barril do petróleo. Quem ganha com isso são os bancos e os lobbies dos importadores e os aplicadores".

Ao ser questionado sobre a greve dos caminhoneiros, o deputado se posicionou contra a paralisação, embora admita ser necessária maior atenção às demandas da categoria.

"Particularmente eu e a própria Frente Parlamentar não defendemos a paralisação, mas também sabemos que eles têm direito de reivindicar melhores condições de trabalho. Essas altas sucessivas do óleo diesel vêm praticamente estabelecendo uma situação de miséria pelas estradas", afirmou Crispim.

A paralisação dos caminhoneiros começou na manhã desta segunda-feira em todo o país. No entanto, a greve ainda não teve a adesão esperada por lideranças. Não há registros de rodovias paralisadas ou de caminhoneiros que pretendem parar os serviços. As informações foram repassadas pelo Palácio do Planalto.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários