Silva e Luna disse não se sentir pressionado pelo aumento dos combustíveis
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Silva e Luna disse não se sentir pressionado pelo aumento dos combustíveis

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, disse que não se sente pressionado pelos aumentos nos preços dos combustíveis. Ontem,  a estatal divulgou lucro líquido de R$ 31,1 bilhões no terceiro trimestre.

Em coletiva de imprensa virtual, o executivo lembrou que "tudo que impacta a sociedade, impacta a empresa". Voltou a falar que o acionista majoritário recebe os dividendos e decide como empregar esses recursos em políticas públicas. Após após antecipar R$ 63,4 bi em dividendos, a estatal prevê pagamento ainda maior a acionistas no 4o trimestre.

"Participamos de algumas conversas na forma de como o Congresso e o governo podem encontrar soluções para apoiar os mais necessitados com o recursos que entregamos. O congresso e o governo estão estudando soluções que vão desde o colchão para amortecer esses preços, o vale-gás, o vale-caminhoneiro. A Petrobras está atenta a isso. No sentido de se sentir pressionado, não. Mas eu recebo todos esses impactos e vejo como a Petrobras pode ser mais sensível ao que está acontecendo", disse Luna.

Leia Também

O executivo, que disse que a empresa não persegue lucro por lucro, voltou a falar que a Petrobras "não controla" os preços do petróleo, que foram afetados pelo efeito da pandemia. Afirmou ainda que existem no Brasil leis que estabelecem como a Petrobras deve atuar.

"Como gestores públicos, não podemos atuar fora da lei. As maiores contribuições que a empresa pode dar à sociedade são os pagamentos de tributos e dividendos. Devolvemos o lucro da empresa à sociedade por meio de dividendos", afirmou.

Para ele, "existe um grande desconhecimento por parte da sociedade" sobre o que Petrobras pode e não pode fazer por limitações legais.

"Somos sensíveis a tudo particularmente com relação às famílias mais carentes. Sofremos quando temos que informar o aumento dos preços de um combustível ou outro. E só fazemos isso no limite da necessidade para evitar o desabastecimento, já que temmos uma grande importação de derivados. Não estamos insensíveis a isso. No entanto, não podemos fazer políticas públicas. Temos responsabilidade social e somos sensíveis sim a tudo isso, mas temos que cumprir a lei", disse Silva e Luna.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários