Presidente anunciou na live a
O Antagonista
Presidente anunciou na live a "iminência" de um novo aumento

No mesmo dia em que anunciou um "auxílio diesel" de R$ 400 para 750 mil caminhoneiros autônomos, o presidente Jair Bolsonaro comunicou que os combustíveis estão "na iminência" de ter novos aumentos.

“Deve ter outro aumento de combustível? Deve ter outro aumento de combustível. Não precisa ser mágico para descobrir isso aí, é só ver o preço do petróleo lá fora e quanto está o dólar aqui dentro”, disse Bolsonaro em transmissão ao vivo nesta quinta-feira (21). 

“Nós ainda dependemos da importação de diesel, de parte da gasolina também. E se não reajustar, falta. A inflação é horrível? É péssima, mas pior ainda é o desabastecimento”, completou Bolsonaro.

A Petrobras confirmou nesta terça-feira (19) que não conseguirá atender toda demanda de combustível solicitada para o mês de novembro, o que poderá causar desabastecimento em alguns postos. Segundo a companhia, houve uma 'demanda atípica' de pedidos de fornecimento de combustíveis e extrapolará o ritmo de produção da petroleira.

A confirmação vem após a Associação das Distribuidoras de Combustíveis informar o risco de desabastecimento em postos a partir do próximo mês. De acordo com a associação, a Petrobras realizou "cortes unilaterais em pedidos de distribuição de gasolina e diesel".

Auxílio diesel

O governo decidiu pagar uma "ajuda" para caminhoneiros autônomos, como compensação pelos reajustes recentes no preço do diesel. Bolsonaro não entrou em detalhes, mas disse que em torno de 750 mil profissionais serão beneficiados.

Leia Também

"Decidimos então, os números serão apresentados nos próximos dias, nós vamos atender aos caminhoneiros autônomos. Em torno de 750 mil caminhoneiros receberão uma ajuda para compensar o aumento do diesel", discursou o presidente.

A ajuda aos caminhoneiros deve ser de R$ 400 por mês até dezembro de 2022. A medida terá um custo de cerca de R$ 4 bilhões. O governo ainda não disse como isso será pago.

Greve dos caminhoneiros

Mesmo após o anúncio da ajuda, os caminhoneiros decidiram manter a greve marcada para 1º de novembro. Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), "caminhoneiros não querem esmola, querem dignidade". No início da semana, a CNTTL já havia confirmado a greve dos caminhoneiros a partir de novembro, citando que a categoria foi "traída".

Os líderes de associações de caminhoneiros entendem que o valor do auxílio diesel, R$ 400, não cobre nem metade dos gastos da classe.

"Caminhoneiro não faz nada com R$ 400, com diesel na média de R$ 4,80. Os R$ 400 propostos pelo presidente não atendem as demandas dos caminhoneiros. Manteremos nossas demandas e greve em 1º de novembro”, afirmou o organizador da paralisação de 2018, Wallace Landim, popularmente conhecido como Chorão.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários