Presidente do BC acredita que discussão sobre Auxílio Brasil será 'página virada'
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Presidente do BC acredita que discussão sobre Auxílio Brasil será 'página virada'

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira (01) que as discussões sobre o pagamento dos precatórios e o financiamento do Auxílio Brasil em 2022 serão uma “página virada” em breve.

Em evento de uma instituição financeira, Campos Neto ressaltou que o mercado está preocupado com as incertezas na economia, principalmente ligadas ao risco fiscal.

"Acredito que quando você virar a página nesse tema, nós seremos capazes de avançar e acredito que vamos virar essa página em breve", destacou.

O presidente do BC explicou que o mercado espera entender como o governo vai fazer para desenvolver o novo Bolsa Família ao mesmo tempo em que respeita as regras fiscais.

"A questão é qual será a equação que vai chegar a uma solução que ao mesmo tempo resolva todas as necessidades básicas para a população mais pobre, mas ao mesmo tempo respeite o regime fiscal que temos", disse.

Ao mesmo tempo que Campos Neto fazia sua palestra, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciava em um evento no Palácio do Planalto a extensão do Auxílio Emergencial. Quase uma hora depois, a assessoria da pasta corrigiu o ministro e afirmou que o governo quer o Auxílio Brasil.

Leia Também

"O ministro Tarcísio (de Freitas, da Infraestrutura) vai vender mais 22 aeroportos. O ministro Rogério Marinho (do Desenvolvimento Regional) vai terminar as obras que ficaram inconcluídas. O ministro João Roma vai estender o auxílio emergencial. Nós somos um time remando pelo Brasil", disse Guedes ao discursar em um evento sobre a Cédula de Produto Rural (CPR) Verde.

A fala causou confusão porque parte do governo estuda prorrogar o Auxílio Emergencial, mas a equipe econômica vinha se posicionando contra essa renovação. O entendimento é que a prorrogação fora das regras orçamentárias preocupa do ponto de vista fiscal.

Precatórios

O governo tem uma conta de R$ 89,1 bilhões em precatórios — decisões judiciais contra a União sem possibilidade de recurso — para 2022 e vem tentando solucionar a questão pela Justiça e pelo Congresso Nacional, seja estabelecendo um teto para pagamentos ou os parcelando. Segundo Campos Neto, as pessoas estão enxergando um problema com a questão fiscal.

Leia Também

"Quando você olha para os precatórios, eles têm crescido em um ritmo que basicamente elimina sua liberdade em termos de utilizar seu Orçamento", disse.

De acordo com o presidente do BC, o "ruído" está ligado a como o novo programa social será financiado.

"O ruído no curto prazo é relacionado a qual tipo de programa social o governo quer fazer, como vai ser financiado e se vai ser permanente, temporário, como vamos lidar com o programa temporário que está ativo agora, como ele vai se juntar com o programa permanente".

"Acredito que muitas dessas perguntas estão sem resposta e isso está criando um pouco de apreensão, mas quando a página estiver virada, será possível evoluir nessa questão", explicou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários