Doria tenta conquistar apoio de paulistas como candidato de terceira via ao Palácio do Planalto
Reprodução
Doria tenta conquistar apoio de paulistas como candidato de terceira via ao Palácio do Planalto

O governo de São Paulo lançou nesta quarta-feira (15) o programa Pró-SP, que vai investir R$ 47,5 bilhões em 8 mil obras. Segundo o governador João Doria (PSDB), trata-se do maior programa de obras da história do estado.

Em coletiva de imprensa na tarde desta quarta, Doria e seu vice, Rodrigo Garcia (PSDB), afirmaram que o programa vai gerar 200 mil empregos diretos apenas com a realização dessas obras, que começam ainda em 2021 e se estendem a 2022, ano eleitoral.

O investimento de maior impacto é a retomada da construção da Linha-6 laranja do metrô, com previsão de R$ 15 bilhões. O Pró-SP inclui ainda a construção da Linha-17 do monotrilho e as extensões da Linha-2 verde do metrô e da Linha-9 da CPTM. A despoluição do rio Pinheiros, os Contornos da Rodovia dos Tamoios, o Hospital Pérola Byington e a concessão rodoviária Piracicaba-Pindorama, com 1,37 mil quilômetros de extensão, também integram o programa.

"Pró-SP nasce como o maior conjunto de obras pós-pandemia do Brasil e da América Latina. São 8 mil obras públicas que se somam às oito concessões e parcerias público-privadas (PPP) que realizamos na nossa gestão", disse o governador de São Paulo, acrescentando que o programa gerará oportunidade e emprego no estado.

Candidato tucano à sucessão de Doria, Garcia será o coordenador-geral do Pró-SP. Na coletiva de imprensa, ele disse que o estado fez as reformas necessárias e, agora, recupera a capacidade de investimento.

O secretário de Desenvolvimento Regional e presidente do PSDB paulista, Marcos Vinholi, será o responsável por fazer a ponte com os municípios, liberando a verba das reformas para cada uma das 645 cidades. Além de integrante do governo, Vinholi também é parte da equipe de campanha de Doria nas prévias nacionais do PSDB.

Como antecipou o colunista do jornal O Globo Lauro Jardim, Doria também anunciou a redução do ICMS do setor de bares e restaurantes de São Paulo —  cairá de 3,69% para 3,2%. A medida faz parte de um outro programa anunciado também nesta quarta-feira, o chamado Retoma SP, que vai destinar R$ 520 milhões em investimentos para os setores mais afetados durante a pandemia da Covid-19. Além do ICMS, haverá um crédito especial de R$ 100 milhões para empresários que ficaram com o nome sujo por causa da pandemia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários