Enquanto reforma tributária segue empacada, deputados discutem desoneração para 17 setores
Fernanda Capelli
Enquanto reforma tributária segue empacada, deputados discutem desoneração para 17 setores

Com a reforma tributária empacada no Congresso, os deputados retomaram a discussão para prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. Um projeto do deputado Efraim Filho (DEM-PB) propõe a ampliação desse prazo para 2026.

As discussões em torno da proposta começaram em audiência pública nessa quarta-feira. O relator da proposta, Jerônimo Goergen (PP-RS), já antecipou que seu relatório, a ser apresentado na Comissão de Finanças e Tributação, será favorável à prorrogação do prazo.

Goergen vai protocolar a proposta até a próxima quarta-feira, quando deve se reunir com o governo para discutir a proposta. Durante a audiência pública, ele informou que foi procurado pela equipe da ministra Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, para o agendamento de uma reunião com o Planalto, equipe econômica e representantes desses 17 setores.

"A desoneração da folha garante milhares de empregos e os 17 setores que mais empregam no Brasil dependem disso", afirmou o deputado Efraim Filho durante a sessão.

E acrescentou:

Você viu?

"A desoneração da folha beneficia a sociedade. Não queiram confundir com um privilégio a determinado setor. A desoneração da folha é algo, inclusive, que tem que ser pensado a médio e longo prazo, como uma política ampla para todos os setores."

O deputado Jerônimo Goergen pontuou que a desoneração da folha de pagamento acabaria ao fim deste ano de 2021 porque havia a expectativa de aprovação da reforma tributária, o que acabou não se concretizando. Tanto a proposta que reformula os impostos sobre o consumo quanto os tributos de renda enfrentam problemas na tramitação.

"O governo terá de tomar uma decisão. Ele pode até não dar a desoneração, mas gastará com mais auxílios e bolsas emergenciais", afirmou.

Desde 2011, uma lei permite que alguns setores façam a substituição da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamentos por uma porcentagem da receita bruta das empresas. Entre os beneficiários estão setores da indústria (como couro, calçados, confecções, têxtil, aves, suínos), serviços (como TI, call center, hotéis), transportes (rodoviário de carga, aéreo), construção e outros.

O argumento dos deputados é que, sem reforma tributária e diante do cenário de recuperação da crise imposta pela pandemia da Covid-19, é temerário retirar a desoneração da folha neste momento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários