TCU
Divulgação/TCU
TCU

O bloco de oposição do governo informou que acionará o Tribunal de Contas da União (TCU) para apurar o desvio de R$ 52 milhões de verba publicitária. Os recursos deveriam ir para o combate à pandemia do novo coronavírus, e acabaram em posts favoráveis ao governo

Segundo a Folha de São Paulo, os recursos foram para exaltar as ações do Executivo, e a gestão do presidente Jair Bolsonaro. Os documentos comprovando o destino das verbas foram entregues à CPI da Covid. 

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara, o ato pode ser considerado crime de responsabilidade. “O Poder Legislativo, numa decisão que uniu todos os deputados e senadores, independente de sua posição em relação ao governo, destinou recursos para o enfrentamento da pandemia. Desviar esses recursos, que deveriam ser usados para salvar vidas, para fazer propaganda do governo é uma imoralidade e um crime”, afirmou.

Os recursos foram reservados à Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) por meio de Medida Provisória e tinha "o objetivo de informar à população e minimizar os impactos decorrentes da proliferação da doença".

No entanto, os recursos foram gastos com vídeos de 15 a 30 segundos, áudios e informativos para divulgar:

  • A liberação de recursos para pagamento de salários em micro e pequenas empresas;
  • Repasses a estados e municípios;
  • Bolsa Família;
  • Auxílio emergencial;
  • Suspensão de pagamento da conta de luz;
  • Saques do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço);
  • Compra de equipamentos, medicamentos e EPIs (equipamentos de proteção individual), usados por profissionais na linha de frentes. 

A Secom afirmou, em nota, que as campanhas abrangem diversas áreas impactadas pela pandemia e que “cumprem estritamente os objetivos de informar à população e minimizar os impactos decorrentes da proliferação da doença, uma vez que dão publicidade para as ações e serviços disponíveis para as parcelas da população mais afetadas pela crise sanitária e reforçam as orientações aos cidadãos no combate da pandemia".


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários