Região atingida pelo rompimento da barragem de Brumadinho – MG
Foto: Isac Nóbrega/PR
Região atingida pelo rompimento da barragem de Brumadinho – MG


Três empregados terceirizados da Vale , que trabalhavam na barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho , mas não estavam presentes no dia da tragédia, tiveram a indenização negada pelo Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG). Na ação, os trabalhadores alegaram que "foram submetidos a risco de vida, risco à saúde e à integridade física" por terem frequentado o local.

A decisão desta segunda-feira (26) afirma que "o fato de os autores terem trabalhado no local em período anterior ao do rompimento da barragem não é suficiente para a caracterização do dano".


Você viu?

Na ação, julgada pela Sexta Turma da Corte, os trabalhadores alegaram que o risco de trabalhar sob o risco de desmoronamento justificaria a indenização por dano moral . Eles prestaram serviço na barragem que colapsou até dezembro de 2018, um mês antes da tragédia.

O lado da Vale


O desembargador relator, César Machado, afirma que "não vislumbrou dano sofrido, indispensável ao deferimento da pretensão reparatória". O magistrado considerou que só caberia indenização em caso de "lesão à honra, à imagem, à liberdade de ação, à autoestima, à sexualidade, à saúde, ao lazer e à integridade física".

"A situação dos autos, conforme salientado pelo juízo de origem, é de dano meramente hipotético", ressaltou. O relator também pontua que os profissionais não têm "a condição de empregados lotados no local do acidente".

"Um deles disse que não trabalhava mais na unidade, e sim no Barreiro, ao passo que os outros dois declararam que trabalhavam em diversas localidades, sem local fixo, e que estiveram na mina apenas até dezembro de 2018", afirma.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários