Brasil Econômico

Operação foi realizada nesta quarta-feira
Divulgação/Receita Estadual de MG
Operação foi realizada nesta quarta-feira

A Receita Estadual de Minas Gerais realiza, nesta quarta-feira (3), buscas e apreensões em duas empresas de produtos de limpeza suspeitas de praticar sonegação de impostos . As companhias estão localizadas em Betim e Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte.

As investigações são da Operação Limpeza Pesada , que teve início após denúncias de concorrência desleal por outras empresas do setor. De acordo com os levantamento iniciais, o estado de Minas Gerais pode ter tido prejuízo de R$ 17 milhões nos últimos quatro anos com a sonegação.

Você viu?

"Chama atenção da Receita Estadual o fato de as investigadas atuarem no segmento de materiais de limpeza, tendo como carro-chefe o álcool em gel. Temos indícios de que elas se aproveitaram da pandemia da covid-19 para multiplicar os seus faturamentos em 2020, graças a vultosas sonegações tributárias, prejudicando os seus concorrentes, que não conseguem combater os baixos preços praticados às custas do ICMS não recolhido", ressaltou o delegado fiscal Gilmar Barbosa, um dos coordenadores da operação.

Para driblar o Fisco, as empresas, que fabricam os produtos de limpeza, emitiam documentos fiscais de operações de compra e venda entre si com valor bem abaixo do real. Assim, parte do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) não era recolhido.

Outra forma de sonegar era realizando a venda de mercadorias sem emissão de nota fiscal - assim, imposto algum era recolhido. As empresas ainda são acusadas de ter "laranjas" como proprietários, dificultando a cobrança de débitos tributários pelo estado.

De acordo com o delegado, os documentos apreendidos serão analisados e é provável que a Receita Estadual chegue a valores ainda mais altos que foram sonegados. Os tributos serão cobrados com multa dos infratores, que também podem ser investigados criminalmente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários