marcio bittar
Agência Senado
Márcio Bittar, relator da PEC Emergencial, decidiu desistir de votar a proposta neste ano, esperando "melhor clima" em 2021

O senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, anunciou nesta sexta-feira (11) que desistiu de apresentar seu parecer ao projeto neste ano. O texto só será divulgado em 2021, após o recesso do Congresso.

"Em vista da complexidade das medidas, bem como da atual conjuntura do país, decidi não mais apresentar o relatório da PEC Emergencial em 2020. Creio que a proposta será melhor debatida no ano que vem, tão logo o Congresso Nacional retome suas atividades e o momento político se mostre mais adequado", disse Marcio Bittar em nota à imprensa.

A decisão é divulgada após idas e vindas na estratégia de aliados do governo para tentar avançar com a medida ainda em 2020. Nesta quinta-feira, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), disse em entrevista à agência de notícias Bloomberg que havia "clima" no Congresso para votar a medida neste ano.

A movimentação mais recente de Bittar para tentar emplacar a proposta começou no início desta semana, quando o parlamentar distribuiu uma minuta do projeto a líderes do Legislativo.

O texto, que vazou à imprensa, causou ruído com a equipe econômica por conter um artigo que permitia que parte das despesas públicas ficassem fora do teto de gastos por um ano — o que foi interpretado como uma tentativa de flexibilizar a regra fiscal mais importante do país.

Após a repercussão negativa, o senador retirou o dispositivo e distribuiu às lideranças uma nova versão do projeto, ainda com a intenção de começar a votar a proposta até o fim de dezembro.

Eleições no Congresso

A avaliação do cenário político, no entanto, influenciou a decisão do parlamentar de desistir da empreitada. Segundo fontes que acompanham a negociação, a indefinição sobre as eleições para presidentes da Câmara e do Senado pesou no recuo de Bittar.

O nível de incerteza aumentou especialmente após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de barrar a possibilidade de reeleição dos atuais presidentes Rodrigo Maia (DEM-RJ), na Câmara, e Davi Alcolumbre (DEM-AP), no Senado.

No caso de Alcolumbre, a percepção nos bastidores era de que sua reeleição era dada como certa, caso a Corte autorizasse a manobra.

A definição sobre o comando no Senado é importante para a tramitação da PEC porque, se o texto for alterado na Câmara, volta à Casa de origem. Diante da possibilidade de que um novo presidente engavetasse a proposta ou fizesse mudanças na relatoria, Bittar preferiu evitar o desgaste.

O avanço de propostas econômicas tem sido ponto central na disputa entre aliados do governo e críticos à equipe econômica, liderados por Maia. Na quarta-feira, o presidente da Câmara disse em tom irônico que levaria um bolo para comemorar um ano de aniversário da proposta no Congresso, encaminhada em novembro de 2019 pelo governo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários