planilha
iStock
Confira 6 passos para fazer sua planilha financeira

O primeiro passo para organizar as finanças pessoais é fazer uma planilha financeira. Visualizar o  quanto você ganha e como gasta seu dinheiro ajuda a tomar melhores decisões sobre suas contas.

Fazer uma planilha financeira é como praticar exercícios físicos: no começo, parece chato – mas, a longo prazo, os resultados fazem bem. É assim que o professor de finanças da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Fábio Gallo, define o hábito de organizar os gastos e ganhos.

Apesar de haver vários tipos disponíveis na internet, o professor afirma que você não precisa ter aplicativos ou planilhas eletrônicas se não quiser. Um caderninho ou folha de papel bastam para fazer uma boa planilha financeira. Confira o tutorial para organizar seu dinheiro:

1. Tenha um objetivo

Ter um objetivo é o primeiro passo para a planilha financeira fazer sentido. "As pessoas precisam se conscientizar das vantagens que fazer a planilha financeira dá para a vida delas. É preciso fazer uma meta – que pode ser sair da crise , ou algo que querem conquistar", diz o especialista.

Para Gallo, é preciso estabelecer um prazo e quantidade: quando quero atingir minha meta e de quanto dinheiro eu preciso para isso.

Se for algo material, pense: quanto custa esse bem e quando quero tê-lo? Se for uma dívida, de quanto é essa dívida e qual o prazo para quitá-la?

2. Anote tudo que gasta e que ganha

Agora, a parte prática da planilha começa. "É preciso anotar tudo o que ganha líquido, ou seja o quanto entra no banco ou no bolso. O valor exato. Depois, ir anotando cada coisa que foi gasta", afirma o professor.

Você pode usar aplicativos e planilhas eletrônicas – como o Excel ou o Planilhas Google, ligado à conta Gmail –, mas também pode fazer a planilha financeira no papel.

Ter consciência dos  gastos é o mais difícil, "porque as pessoas geralmente fazem estimativas", segundo o professor. É só anotando cada gasto que é possível visualizar para onde o dinheiro está indo.

"Não esqueça coisas que fazem parte da vida, como lazer, compras na internet, dízimos religiosos ou doações. Tudo deve ser anotado", alerta Gallo.

Para o professor, quanto mais variável for a sua renda – se você trabalha informalmente com vendas, por exemplo – mais controle financeiro você precisa ter.

3. Organize as despesas em grupos

A planilha financeira tem como objetivo te ajudar a enxergar o peso dos seus gastos no orçamento pessoal. Então, organizar grupos de despesas é um passo importante.

"Alguns exemplos de grupos são: alimentação, lazer, transporte, contas de casa. Faça grupos baseados nos seus hábitos", indica o professor.

4. O quanto eu trabalho para pagar isso?

Para Gallo, é importante descobrir o quanto o seu trabalho vale, para depois perceber como você está gastando seu salário ou renda. 

A conta que ele indica é de dividir o seu ganho em um período de tempo correspondente. Por exemplo, divida o seu salário mensal por 30 e assim descobrirá o quanto vale cada dia do seu trabalho por mês. 

Se seu salário for R$ 2,5 mil, por exemplo, dividindo por 30 dias, o resultado é que cada dia de trabalho seu vale aproximadamente R$ 83.

"Com isso, você vai começar a pensar 'quantos dias eu trabalho para pagar tal coisa?'", explica Gallo. Esse processo de tomada de consciência é o principal aprendizado da planilha financeira.

Para o professor, é importante também pensar em anos, não só em meses. A lógica é a mesma, mas anual: quanto você ganha por ano e quanto gasta anualmente em tais despesas. "Isso é importante porque há ganhos e gastos por ano – como o 13° e o Imposto de Renda ", diz o professor.

5. Controle o orçamento

Depois de tomada a consciência sobre ganhos e gastos, você começa a realizar o controle do seu orçamento.

"Só anotar gastos e ganhos não serve para nada. Depois de perceber o quanto seu trabalho vale e no que gasta, você toma consciência e pode tomar escolhas melhores para seu bem-estar, ou levantar questionamentos sobre suas escolhas financeiras. O julgamento é pessoal", afirma o professor. 

Ele explica que não há regras sobre o que você gosta de comprar, mas ter controle disso é importante. "Uma pergunta boa de se fazer para controlar gastos é: eu preciso ou eu quero isso?", expressa Gallo.

6. Eu faço produtos e os vendo como forma de renda. Como calcular meus gastos?

Atenção: se você for um profissional autônomo, é preciso fazer duas planilhas financeiras diferentes, uma para a vida pessoal e outra para seu negócio. Com a pandemia,  pessoas passaram a produzir alimentos e artesanatos para vender e conseguir renda. Se esse for seu caso, é importante não misturar as coisas.

"É preciso separar o bolso esquerdo do direito. A planilha financeira profissional segue a mesma lógica do orçamento pessoal, mas as planilhas têm de ser separadas, inclusive para você formular o preço do seu produto", diz o professor.

Se você vende bolos de chocolate, por exemplo, sua lista de gastos terá os preços da matéria prima para produção: chocolate, leite, açúcar, energia elétrica, água, entre outros. Assim, você vai descobrir quanto cada bolo custa para ser feito e quanto você lucra com ele pelo preço que estipulou.

Só depois, com o lucro obtido, você decide o que faz – se investe no seu negócio ou paga suas contas pessoais. Assim, garante que suas contas pessoais e profissionais não terão prejuízo.

    Veja Também

      Mostrar mais