comércio de rua fechado
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Profissionais sem carteira assinada foram os mais afetados pelas medidas de isolamento

Em maio deste ano, 9,7 milhões de trabalhadores estavam sem remuneração, divulgou o IBGE nesta quarta-feira (24). De acordo com os dados da Pnad Covid-19, este total de pessoas que perdeu a renda corresponde a 11,7% de toda a  população empregada no Brasil, que totalizava 84,4 milhões no mês passado.


A pesquisa mostrou que 19 milhões de pessoas (ou 22,5%) estavam afastadas de seu trabalho, sendo que 15,7 milhões (18,6%) estavam afastadas devido ao distanciamento social.

Além disso, o grupo etário com maior proporção de pessoas afastadas do trabalho foi o de 60 anos ou mais: 27,3%.

Trabalhadores domésticos sem carteira assinada foram os mais afetados, registrando o maior percentual de pessoas afastadas devido à pandemia (33,6%), seguidos pelos empregados do setor público sem carteira (29,8%) e pelos empregados do setor privado sem carteira (22,9%).

Já entre os trabalhadores domésticos com carteira, o percentual de afastados foi de 16,6%.

    Veja Também

      Mostrar mais