Nesta terça-feira (9), o governo federal revogou a portaria que transferia R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para a Secretaria de Comunicação da Presidência da República. A revogação foi assinada por Waldery Rodrigues , Secretário Especial da Fazenda.

Leia também: 

Brasileiros residentes no exterior tentaram fraudar auxílio emergencial

Bancos ficam fechados em todo o Brasil nesta quinta, feriado de Corpus Christi

Empresários fornecedores do governo poderão parcelar multas em 12 meses

Na última quinta-feira (4), uma portaria publicada e assinada pelo próprio Waldery havia transferido R$ 83,9 milhões da verba do programa Bolsa Família para a comunicação institucional do Palácio do Planalto .

Na verba, houve uma concentração no corte para as regiões Norte e Nordeste. Tal medida fez com que os procuradores-gerais de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte assinassem, na última sexta (5), um pedido ao STF pedindo que o governo justificasse os cortes na região e que houvesse a recomposição do valor retirado para propagandas .

Valor de R$ 83,9 milhões seria suficiente para atender aproximadamente 70 mil famílias.
Jefferson Rudy/Agência Senado - 1.1.14
Valor de R$ 83,9 milhões seria suficiente para atender aproximadamente 70 mil famílias.

Técnicos do governo afirmariam que o valor de R$ 83,9 milhões seria suficiente para atender aproximadamente 70 mil famílias. O valor que cada beneficiário recebe é um pouco menos de R$ 200.

De acordo com o governo, a tranferência teria sido baseada em uma baixa execução orçamentária do programa. Isso seria por conta dos beneficiários terem que optar por receber o Bolsa Família ou o auxílio emergencial de R$ 600. Ainda segundo o governo federal , houve uma alta procura pela ajuda de R$ 600, o que fez com que uma parcela do dinheiro para o Bolsa Família ficasse sem uso.

    Veja Também

      Mostrar mais