Os estados do Nordeste recorreram ao Supremo Tribunal Federal ( STF ) para pedir que o governo federal suspenda o corte de R$ 83,9 milhões do programa Bolsa Família. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o governo de Jair Bolsonaro utilizou essa verba na expansão da publicidade oficial.

Leia também:

Beneficiários do auxílio emergencial podem comprar gás com cartão virtual

Entregadores de delivery se manifestam na Avenida Paulista

Itaú devolverá R$ 75 milhões para clientes por tarifas indevidas de 2008 a 2018

Os procuradores-gerais de Alagoas , Bahia , Ceará , Maranhão , Paraíba , Pernambuco , Piauí e Rio Grande do Norte assinaram o pedido ao STF . Na carta, eles pedem que o governo justifique a tal concentração de cortes no programa na região Nordeste e que haja a recomposição do valor retirado para propagandas.

Verba cortada ajudaria cerca de 70 mil famílias
Jefferson Rudy/Agência Senado - 1.1.14
Verba cortada ajudaria cerca de 70 mil famílias


Os cortes foram realizados no dia 2 de junho, por meio da portaria do Ministério da Cidadania . A cobertura do Bolsa Família foi reduzida e há filas de espera para ingressar no programa.

Segundo o jornal, técnicos do governo afirmariam que o valor de R$ 83,9 milhões seria suficiente para atender aproximadamente 70 mil famílias. O valor que cada beneficiário recebe é um pouco menos de R$ 200.

O governo optou por realizar cortes em gastos sociais e conceder mais poder ao secretário de comunicação do Palácio do Planalto, Fabio Wajngarten . O secretário tem tido sua atuação criticada por suspeita de uso político em seu cargo.

O corte foi pedido pela Presidência da República e aprovado pela Junta Orçamentária, que é formada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes , e pelo ministro da Casa Civil, Braga Netto .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários