avião delta
shutterstock
Delta Airlines, companhia aérea norte-americana, avalia o que fazer com 2.327 pilotos que estão 'sobrando' com a redução de voos

A companhia aérea norte-americana Delta está negociando com o sindicato que representa seus funcionários uma forma de evitar possíveis demissões depois de a empresa ter concluído que tem 2.327 pilotos a mais que o necessário para a sua reduzida escala de voos atual.

Leia também: Latam pede recuperação judicial, mas empresa que opera no Brasil fica de fora

O sindicato está discutindo com a Delta formas de atenuar o tamanho do corte oferecendo opções de demissão voluntária, informou a entidade na segunda-feira (1º).

Outros 7.000 pilotos da companhia já estão em processo de transferência para bases em outras cidades ou para atuar em outros tipos de aeronaves, ou ainda sendo rebaixados para outras funções devido à fraca demanda em meio à pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

A Delta também está aposentando todos os seus jatos Boeing MD-88 e MD-90 e cerca de metade dos 717.

A ameaça de um corte significativo no quadro de funcionários ronda várias companhias aéreas norte-americanas a partir de setembro, quando terminam as restrições para cortes em massa de vagas previstas nos termos do socorro do governo dos Estados Unidos ao setor de aviação civil.

Enquanto a demanda por voos está começando a aumentar após o colapso de março e abril, o número de passageiros continua cerca de 88% abaixo do mesmo nível do ano passado, de acordo com a agência que regula o setor nos EUA.

Os líderes sindicais estão em negociações com a Delta sobre um programa de compensação para profissionais com requisitos para ser enquadrar em uma aposentadoria adiantada, assim como incentivos para uma demissão voluntária.

Dessa forma, esses pilotos que já têm voos previstos a partir de outubro poderiam abrir espaço para os mais de dois mil que estão sobrando, sem escalas previstas.

A Delta informou que está "avaliando todas as opções para mitigar ou minimizar as licenças" de empregados.

De acordo com os contratos trabalhistas firmados pelas companhias aéreas norte-americanas, os trabalhadores em licença temporária mantêm o direito de retornar aos seus postos se as condições do setor melhorarem.

Leia também: Companhias aéreas fazem pedido de proteção contra falência

A companhia baseada em Atlanta informou ainda que a sua capacidade de voos vai cair 85% neste trimestre, na comparação com o ano passado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários