Avião
Reprodução
Cerca de 20 mil funcionários foram colocados em licença não remunerada



Uma das maiores companhias aéreas da América Latina entrou com pedido de proteção contra falência em Nova York, dizendo que a pandemia da Covid-19 devastou seus negócios.

A Avianca Holdings disse, em comunicado, que a medida visa continuar as operações e preservar empregos quando for capaz de retomar as operações normais, após uma emergência de saúde global que atingiu 90% do tráfego aéreo global. A companhia aérea disse que suas próprias receitas consolidadas foram reduzidas em 80%.

"Os efeitos daCovid-19 nos levaram a enfrentar a crise mais desafiadora de nossos 100 anos de história como empresa", disse Anko van der Werff, CEO da Avianca Holdings, segundo a Associated Press.

A Avianca é a segunda companhia aérea com maior operação no mundo, atrás apenas da KLM Royal Dutch Airlines.

O pedido de proteção à falência permite que a empresa adie responsabilidades aos credores, dando tempo para reorganizar suas dívidas e possivelmente vender partes do negócio. Van der Werff chamou de uma medida necessária para garantir que a empresa listada em Nova York saia da crise como "uma companhia aérea melhor e mais eficiente que opera por muitos anos".

A empresa planeja encerrar sua divisão no Peru e reduzir um número significativo de aeronaves em outras frotas como parte de "esforços essenciais de dimensionamento de direito" para emergir mais competitiva após a pandemia.

A Avianca afirmou que está conversando sobre assistência com governos nos países onde opera, principalmente na Colômbia, sua base. A companhia aérea transporta 30 milhões de passageiros por ano e é direta ou indiretamente responsável por 21 mil empregos na América Latina, incluindo 14 mil na Colômbia.

Cerca de 20 mil funcionários foram colocados em licença não remunerada e mais de 140 dos aviões da companhia aéreaestão paralisados desde que o presidente colombiano Ivan Duque fechou o espaço aéreo do país em meados de março, como parte de restrições de viagem destinadas a conter a propagação do coronavírus .

    Veja Também

      Mostrar mais