Número de pedidos de seguro-desemprego caiu
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Número de pedidos de seguro-desemprego caiu


Cerca de 200 mil pedidos de seguro-desemprego estão represados devido à crise causada pela pandemia do novo-coronavírus (Sars-Cov-2). Os dados foram estimados pelo Ministério da Economia e divulgados nesta terça-feira (28). 

Os pedidos represados representam a quantidade de desempregados que não conseguiram entrar com o pedido de seguro-desemprego. Isso se dá, sobretudo, devido ao fechamento dos postos do Sine (Sistema Nacional de Emprego) com a pandemia do novo coronavírus . Até então, os postos eram o principal meio para a realização de pedidos de seguro-desemprego.

Neste ano, com o isolamento social, o número de pedidos por meios digitais alavancou. Na primeira quinzena de abril de 2020, as solicitações digitais tiveram aumento de 4.837% em relação ao mesmo período do ano passado. Mas isso não foi o suficiente para dar conta de todos os pedidos. 

Leia também: Confira o que muda para o trabalhador na crise do Covid-19

“Muita gente não tem esse conhecimento [digital] e ficou um pouco a ver navios no momento em que o Sine fechou as portas. Então, a nossa estimativa é que existe um represamento que, tão logo as agências do Sine reabram ou adotem procedimentos de atendimento remoto, esses números vão se ajustar ao valor final real do ano”, comenta Bruno Dalcomo, Secretário de Trabalho, sobre a distorção que o represamento causou nos dados deste ano. 

Você viu?

Comparativo com 2019

Os números oficiais apresentados pelo Ministério da Economia , que desconsideram esse represamento de pedidos, mostra uma diminuição no número de solicitações de seguro-desemprego em 2020, quando comparado com os valores de 2019. 

Na primeira quinzena de abril de 2019, por exemplo, cerca de 310 mil pedidos de seguro-desemprego foram feitos. No mesmo período deste ano, o número caiu para em torno de 267 mil. Durante o pronunciamento, o Secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, definiu os dados como “notícia maravilhosa”. 

Leia também: Em um mês, EUA perdem 22 milhões de empregos com novo coronavírus

Desconsiderando os 200 mil pedidos represados , o número de solicitações de seguro-desemprego no mês de março e na primeiro quinzena de abril deste ano caiu cerca de 7,2% em comparação ao mesmo período do ano passado. 

Adicionando à conta a estimativa de 200 mil pedidos represados, o número de desempregados neste período teria subido cerca de 16% em relação a 2019. “Portanto, nós temos aqui, sim, um pequeno aumento dos pedidos de seguro-desemprego no ano de 2020, em relação a 2019”, afirma Bruno Bianco.

O real número de desempregados

Durante a coletiva de imprensa na qual anunciou os dados, o Ministério da Economia afirmou que passará a divulgar os dados sobre o seguro-desemprego quinzenalmente. 

Hoje, essa é a maior fonte de informação para medir a taxa de desemprego no país. Isso porque outras formas de obter dados, como é o caso do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), estão suspensas devido à crise do novo coronavírus. Segundo Bruno Dalcomo, o Ministério já explora outras maneiras de obter dados mais precisos sobre o desemprego no país.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários