Trabalhador que sofrer corte salarial com MP Trabalhista do governo não poderá ser demitido por três meses
shutterstock
Trabalhador que sofrer corte salarial com MP Trabalhista do governo não poderá ser demitido por três meses

O governo federal editou a Medida Provisória (MP 936/2020) conhecida como "MP Trabalhista" ou "MP do Emprego", em busca de, em meio à crise causada pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), evitar demissões em massa. Para isso, no entanto, permitiu que empresas cortem até 70% do salário de trabalhadores com carteira assinada e liberou o seguro-desemprego para cobrir parte desse corte.

Leia também: Lei que cria auxílio de R$600 a informais é publicada por Bolsonaro

A MP Trabalhista , que já está em vigor e cuja adesão por parta da empresa é opcional, deve atingir cerca de 24 milhões de trabalhadores, segundo estimativa do Ministério da Economia. O prazo máximo para adotar as novas regras é de 90 dias, no caso da redução de jornada e salário, e de 60 dias no caso da suspensão contratual. Na prática, portanto, o efeito da MP é como o de um decreto, já que medidas provisórias têm até 120 dias para serem aprovadas pelo Congresso, prazo em que o programa já não terá mais validade.

Denominado Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, o texto autoriza a redução da jornada de trabalho em percentuais de 25%, 50%, 70% e até mesmo a suspensão do contrato por acordo individual ou coletivo pelo prazo de até 60 dias. O corte salarial deve ser proporcional ao corte de jornada.

"A MP 936 é complementar à 927 (MP que já previa, dentre outras coisas, corte salarial, artigo que acabou revogado pelo presidente Jair Bolsonaro após pressão sofrida e falta de garantia aos trabalhadores) no enfrentamento ao estado de calamidade pública e tem como foco a preservação do emprego e da renda. Como o próprio nome diz, vem para quebrar o status das relações trabalhistas, já que busca preservar a "renda", e não o "salário" dos trabalhadores", sintetiza Fabiano Zavanella, Doutorando em Direito pela USP, Mestre em Direito pela PUC/SP e com MBA em Direito Empresarial pela FGV/SP.

Fabiano pontua ainda que a medida tem "dois eixos centrais, que são redução de jornada e salário por 90 dias e a suspensão do contrato de trabalho por até 60 dias" e diz que a expectativa para os próximos dias é de uma normativa do Ministério da Economia para as empresas demonstrando como funcionam os dois pontos centrais da MP e em que faixas salariais deve haver acordos individuais ou coletivos.

Para o advogado, a MP 936 revela, enfim, o envolvimento direto do Estado na luta contra a crise e na busca pela preservação do emprego. "Agora o Estado é ator da proteção do emprego e da renda", diz, pontuando a importância da liberação do seguro-desemprego e da "cobertura" do corte salarial por parte do governo, não somente das empresas, como previa a primeira medida editada.

Para compensar o corte, o governo irá liberar percentual equivalente do seguro-desemprego . Em caso de salários mais altos, a perda poderá ser maior, já que a "compensação" do benefício pago a desempregados e agora afetados pela medida vai de R$ 1.280,00 a R$ 1.813,00. Em caso de suspensão do contrato , o seguro-desemprego será pago em sua totalidade. Em caso de corte de 70%, por exemplo, o governo entrará com 70% do auxílio para desempregados.

Para empresas consideradas médias e grandes com base em seu faturamento bruto em 2019, porém, há uma outra condição. "Importante destacar que as empresas com faturamento anual superior a R$ 4.800.000,00, que optarem pela suspensão integral do contrato de trabalho, deverão fornecer ao empregado ajuda de custo mensal em percentual equivalente a 30% do salário pago ao mesmo, o qual poderá ser deduzido do seu lucro líquido para fins de IR, desde que seja ela optante pelo lucro real", alerta o advogado especialista em questões trabalhistas Mourival Ribeiro. Os outros 70% cortados viriam do seguro-desemprego.

Os cortes de salários dependem, invariavelmente, de acordo entre empregador e empregado. Para quem recebe até R$ 3.135,00, esse acordo pode ser feito individualmente, sendo encaminhado ao trabalhador com dois dias de antecedência e com notificação ao sindicato e ao Ministério da Economia dez dias após o acordo. Para o advogado Fabiano Zavanella, essa faixa salarial deve englobar acima de tudo trabalhadores de micro e pequenas empresas, com destaque para o comércio.

Para quem recebe entre R$ 3.135,01 e R$ 12.102,00, faixa que Fabiano acredita ser a mais afetada, é necessário acordo coletivo, que pode estabelecer percentuais diferentes de redução de jornada e salário. Quem recebe mais de R$ 12.102 também não depende de acordo coletivo, assim como os da faixa de menor remuneração.

Feito o acordo entre as partes, a empresa deve, em até dez dias, notificar o Ministério da Economia. A partir disso, o benefício deve ser pago ao trabalhador em até 20 dias, ou seja, ele poderá esperar até 30 dias para receber.

Você viu?

MP prevê benefícios previstos em contrato mantidos, mas não é clara

Com a redução da jornada ou mesmo a suspensão do contrato, os benefícios derivados da relação de emprego que estão previstos em contrato deverão ser mantidos. No entanto, não é obrigatório que o Vale Transporte , por exemplo, continue sendo pago, já que, em casa, o deslocamento ao trabalho é desconsiderado. A MP não deixa claro quais benefícios não podem ser cortados, e abre margem para acordos que penalizam os trabalhadores sob a defesa de preservação do emprego.

Fabiano Zavanella diz que os acordos podem prevalecer em relação aos benefícios e que empresas que cortarem garantias previstas contratualmente podem "sofrer judicialmente as consequências". Ele defende que, neste momento, seja preservado, de todo jeito, o plano de saúde. "Em um enfrentamento a uma pandemia, cortar plano de saúde é instaurar o caos. Não tem como". Ele afirma, porém, que a MP também não é clara em relação a esse corte.

Encerrado o período de redução de jornada e salário ou suspensão contratual, o trabalhador terá estabilidade por período equivalente, ou seja, até três meses no primeiro caso e dois meses no segundo, o que busca garantir um dos focos principais da MP, que é a manutenção de empregos.

Quem aderir e demitir mesmo assim deve pagar indenização

A adesão ao programa que garante estabilidade aos funcionários é opcional, e empresas que não aderirem - ou aderirem somente em determinadas áreas ou faixas salariais - poderão demitir normalmente, desde que não tenham se aproveitado das possibilidades oferecidas pela MP, como o corte salarial .

Empresas que cortarem os salários, no entanto, têm brecha na lei que permite demissão mediante pagamento de indenização. Se houver dispensa sem justa causa do empregado durante o período de estabilidade, o empregador cometerá um ato ilícito, garantindo ao funcionário o direito de receber, além das verbas rescisórias regulares, uma indenização de até 100% do salário.

Empregadores que optarem pelo corte salarial poderão demitir, portanto, caso realizem o pagamento de uma indenização adicional, que terá variação de 50% a 100% do valor do salário do empregado, o que depende do tamanho do corte salarial promovido pela empresa. Demissões por justa causa ou por pedido de demissão não são englobadas, não tendo direito à indenização.

Medidas tomadas podem ser revertidas? No caso do aviso prévio, sim

"Houve uma certa demora, embora o processo de elaboração realmente leve tempo, para o envio da MP. Com isso, muitas demissões já ocorreram, e algumas poderiam ter sido evitadas com as novas regras trabalhistas. Não tem como reverter desligamento", diz Fabiano Zavanella sobre a medida.

Ele pontua, porém, que quem está cumprindo aviso prévio ainda está com o contrato válido, sendo possível, de tal forma, a empresa optar por cortar salário e jornada ou mesmo suspender o contrato temporariamente, e não mais demitir aquele profissional.

Leia também: Covid-19: Governo anuncia pacote de R$ 200 bilhões para saúde e empregos

Trabalhadores realizando atividades em home office, muito citados pela MP, podem ter salários e jornadas cortadas ou contratos suspensos temporariamente e terem complemento do governo com o seguro-desemprego nesse período.

O corte salarial, neste caso, também deve ser equivalente ao de jornada, e o limite de redução de salário é de três meses. Nesse período e nos três meses seguintes, o trabalhador não poderá ser demitido.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários