Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Antonio Cruz/Agência Brasil
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes

A partir de 11 de maio deste ano, empresas estrangeiras poderão participar de licitações no Brasil de forma direta, ou seja, sem um representante brasileiro.

Hoje, ao tentar disputar a preferência do setor público nas compras de bens e serviços, as companhias de outros países são obrigadas a ter uma parceria nacional, seja com pessoas físicas ou jurídicas, no momento do cadastro da disputa. Essa exigência só existirá em caso de vitória no processo licitatório.

Estados Unidos retiram Brasil de lista de países em desenvolvimento

De acordo com o Ministério da Economia, a flexibilização - presente em Instrução Normativa (IN) publicada nesta terça-feira, no Diário Oficial da União - atingirá 99% dos processos de compras públicas do poder Executivo federal.

Cristiano Heckert, secretário de Gestão da pasta, explicou que o objetivo é ampliar a competição, buscar preços melhores e ter mais qualidade nas entregas.

Você viu?

Pagamento de abono do PIS/Pasep será liberado na quinta: veja quem tem direito

- Consultamos órgãos que realizam licitações internacionais e eles apontaram que este é um dos gargalos para a participação das empresas estrangeiras - disse Heckert.

Ele ressaltou que, para participar de uma licitação eletrônica, a empresa precisa estar cadastrada no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (Sicaf). O sistema será alterado, para que as empresas estrangeiras possam se registrar sem a necessidade de um CNPJ.

- Somente na hora da assinatura do contrato, a empresa terá de indicar quem será o representante legal no Brasil - disse o secretário.

Outra medida para a simplificação da participação de fornecedores de outros países foi o fim da obrigatoriedade da tradução juramentada para o cadastro no Sicaf. Segundo o decreto nº 10.024/2019, as exigências de habilitação serão apresentadas com tradução livre. Somente se o vencedor for estrangeiro, será obrigatória a tradução juramentada para a assinatura do contrato ou da ata de registro de preços.

O Brasil também se prepara para aderir ao Acordo de Compras Governamentais da Organização Mundial do Comércio (OMC). Com isso, empresas estrangeiras que participarem de licitações no Brasil terão o mesmo tratamento dado às nacionais. O mesmo ocorrerá quando companhias brasileiras disputarem compras públicas promovidas por outros países signatários do acordo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários