Tamanho do texto

A Operação Magneto cumpre hoje 31 mandados de prisão temporária e 59 de busca domiciliar com integrantes de uma organização criminosa que aplicava golpes online

operação magneto arrow-options
Polícia Civil
A Polícia Civil cumpriu diversos mandados na Operação Magneto


Na manhã desta terça-feira (19), a Polícia Civil do Estado de São Paulo deflagrou a Operação Magneto . Por meio da Delegacia de Teodoro Sampaio (SP) e Delegacia de Investigações Gerais de Santos (SP), a operação cumpre 31 mandados de prisão temporária e 59 de busca domiciliar. 

O objetivo da Operação Magneto é desarticular um grupo criminoso que praticava estelionatos através de sites de compra e venda na internet. A investigação teve início em Teodoro Sampaio e, com o avanço, a Polícia Civil descobriu que a organização criminosa estava sediada em Bertioga (SP). Os mandados estão sendo cumpridos tanto no litoral quanto na região metropolitana de São Paulo.

Leia também: Ação contra pirataria de filmes e séries derruba 125 sites e prende 4 pessoas

Como a organização aplicava os golpes

A investigação começou a partir de um Boletim de Ocorrência registrado em Teodoro Sampaio. Nele, a vítima afirmou que vendeu uma mesa de som através de um site de comércio eletrônico. Depois de enviar o produto para um endereço na capital paulista, ela não recebeu o pagamento e perdeu todo tipo de contato com o comprador. 

A organização se dividia, portanto, em duas. Enquanto a sede estava em Bertioga, alguns integrantes ficavam na capital paulista para receber os produtos, que vinham de vítimas espalhadas por todo o país. Pelo menos 28 pessoas tiveram um prejuízo total estimado de R$350 mil. 

Leia também: Mamma Mia! Procon-SP fiscaliza cantinas e encontra irregularidades na maioria

Segundo informações da GloboNews, os criminosos utilizavam cartões roubados e fraudulentos para realizarem as compras na internet, e depois não finalizavam o pagamento. Depois, eles anunciavam online os produtos que recebiam, revendendo os objetos sem realizar a entrega. 

Cachorro vira caso de polícia

Dentre as apreensões da Polícia Civil , estava um filhote de cachorro da raça Lhasa Apso. O animal teria sido comprado por um homem conhecido como MC Juninho , também levado pela polícia nesta manhã, acusado de ser um dos integrantes da quadrilha. Ele teria comprado o filhote e não efetuado o pagamento. 

Leia também: Filha de empresário é presa por golpe de ração de cachorro que rendeu R$ 200 mi

Por enquanto, o cachorro está em posse da irmã de MC Juninho, ainda segundo a GloboNews. O dono do cachorro, que realizou um Boletim de Ocorrência depois de não receber o pagamento pelo animal, ainda não foi encontrado pela polícia. Se o verdadeiro dono não for encontrado, caberá à Justiça decidir quem fica com o cachorro.