Tamanho do texto

Após decepção nesta quarta-feira (6), com megaleilão arrecadando somente R$ 69,9 bilhões, novo certame desta quinta voltou a ter pouca competição

pré-sal arrow-options
Reprodução/Petrobras
Novo leilão do pré-sal do governo voltou a decepcionar e arrecadar abaixo do esperado

Após o megaleilão do petróleo realizado nesta quarta-feira (6) decepcionar e arrecadar menos do que o projetado, o governo voltou a leiloar blocos de exploração do pré-sal nesta quinta-feira (7), mas o resultado final foi o mesmo: decepção e arrecadação menor do que a esperada, com a Petrobras dominando as ofertas. O governo esperava R$ 7,8 bilhões, mas leilão chegou somente a R$ 5,5 bilhões.

Leia também: Megaleilão do petróleo frustra expectativas e arrecada menos do que o esperado

Dos cinco blocos oferecidos nesta quinta, somente um foi arrematado. A estatal levou a área em sociedade com a estatal chinesa CNODC. O bloco que obteve sucesso no leilão foi o de Aram, que era o mais nobre entre os cinco oferecidos na 6.ª Rodada de Partilha no excedente da cessão onerosa.

O governo arrecadou R$ 5,5 bilhões de bônus de assinatura na licitação desta quinta-feira, com o bloco de Aram . O investimento previsto na área é de R$ 278 milhões. Não foi oferecido ágio. Anteriormente, o bloco já havia sido arrematado pela italiana Eni, mas acabou devolvida à União após a empre não conseguir cumprir a promessa de bônus oferecida ao governo brasileiro.

A nova rodada de partilha frustrou as expectativas do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que previa maior competição no leilão desta quinta. Mais uma vez, a Petrobras dominou o certame.

Leia também: "Há resistência muito grande", diz Alcolumbre sobre privatização da Eletrobras

As principais petroleiras do mundo se ausentaram dos leilões, que reuniam grande expectativa do governo brasileiro e acabaram decepcionando e levando à maior alta do dólar em sete meses . A moeda norte-americana tem leve alta nesta quinta, operando a R$ 4,09, após subir mais de 2% na véspera.