Brasil Econômico

sede do BNDES
Arquivo/Agência Brasil
Executivo indicado pelo governo como conselheiro do Banco do Brasil deve assumir o Conselho de Administração do BNDES

Ex-conselheiro do Banco do Brasil, Marcelo Serfaty está indo na direção do colegiado de outra instituição. Ele deve presidir o Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), substituindo Carlos Thadeu de Freitas Gomes.

No banco de fomento, terá a missão de ajudar e acelerar no processo de venda de ativos da instituição. A informação foi divulgada pela 'Coluna do Broadcast', do jornal "O Estado de São Paulo".

Mercado eleva previsão de crescimento da economia neste ano

Quando assumiu como conselheiro do Banco do Brasil, no início deste ano, Serfaty tornou-se conselheiro independente, indicado pelo Ministério da Economia .

Na ocasião, a Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB) entrou com uma representação na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), alegando que o nome de Marcelo Serfaty representava conflito de interesse . Isso porque se tratava de uma indicação de um conselheiro do mercado.

"Este é o melhor momento para se investir no Brasil", diz presidente do BNDES

Serfaty é sócio-fundador do fundo de private equity (que compra participação de companhias) G5 Partners , que iniciou suas atividades em 2007.

Eleição

Ainda de acordo com a publicação, a indicação de Serfaty ainda precisa ser confirmada pelo governo. Mas já teria sido feita e está no Comitê de Elegibilidade do BNDES .

Para que seja de fato aprovado, o nome ainda precisa ser votado em Assembleia Geral Extraordinária do BNDES. No entanto, ainda não há data definida para isso.

Veja também: Casa da Moeda é incluída em programa de privatizações do governo

As substituições no BNDES ocorrem após o desligamento do diretor de Investimentos, Mercado de Capitais e Crédito Indireto da instituição, André Laloni.

Antes da demissão, ele havia pedido licença por protagonizar uma crise com o corpo técnico do banco de fomento. O grupo o acusava de tentar impor decisões que contrariavam as normas internas.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários