Tamanho do texto

Apesar da alta com saúde, inflação apresenta o menor índice para o mês

farmácia arrow-options
shutterstock
Gastos na farmácia e com produtos de cuidados pessoais deixaram as compras dos brasileiros mais caras neste mês

Os gastos dos brasileiros no mês de outubro foram puxados pelos produtos de higiene pessoal . Neste mês, o grupo que engloba itens de saúde e cuidados pessoais foi o que mais pesou no bolso do consumidor, com variação de 0,85%.

Leia também: Gás de cozinha tem reajuste de até 5,3% a partir desta terça-feira, diz Sindigás

Esse foi o maior impacto (0,10 ponto percentual) entre os nove grupos pesquisados, principalmente por conta dos itens de higiene pessoal, que subiram 2,35%, e produtos farmacêuticos, com alta de 0,54%.

Mesmo assim, se comparado a setembro e agosto, quando o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) variou em 0,09% e 0,08%, respectivamente, a inflação fica estável, se mantendo em 0,09% em outubro.

Vale ressaltar que este é o menor resultado para o décimo mês do ano desde 1998, quando a taxa foi de 0,01%. 

No acumulado do ano, o IPCA -15 apresenta alta de 2,69% e, em 12 meses, de 2,72%, segundo os resultados divulgados nesta terça-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ).

No que concerne aos índices regionais, três das onze regiões pesquisadas apresentaram deflação de setembro para outubro, conforme mostra a tabela a seguir. O menor resultado foi registrado na região metropolitana de Fortaleza (-0,08%), em função da queda observada no item energia elétrica (-3,31%). Já o maior índice ficou com a região metropolitana de Belém (0,28%), influenciado pelas altas dos itens higiene pessoal (1,89%) e gás de botijão (3,58%), ambos com 0,07 p.p. de impacto.

Hortifruti continua em queda

cebola arrow-options
Reprodução
A cebola foi o item que mais apresentou queda em outubro; a deflação foi de 17,65%

Por outro lado, o grupo alimentação e bebidas seguiu a tendência do mês anterior e continuou sendo o mais barato no mês , com deflação de 0,25%, principalmente puxado pelo barateamento de 0,38% nos preços de alimentação no domicílio.

Os produtos que mais deflacionaram foram os tubérculos, raízes e legumes, que vêm caindo nos últimos meses, com destaque para a cebola, com queda de 17,65%, a batata-inglesa (-14,00%) e o tomate (-6,10%). Já os preços das carnes subiram 0,59%, depois de queda de 0,38% em setembro.

A energia elétrica também foi outro ítem que ficou mais barato e ajudou a deixar o grupo habitação na segunda posição entre os que tiveram as maiores variações negativas no índice do mês. Em setembro, a bandeira vermelha impulsionou a alta do índice, sendo compensada em outubro, com a mudança para a tabela amarela.

Leia também: Serviços de entrega dos Correios, Sedex e Pac ficam 6,3% mais caros

Depois de ligeira baixa em setembro de 0,06%, a gasolina voltou a ficar em alta, com inflação de 0,76% em outubro. O fato deixou o grupo de transportes em alta na comparação com o mês anterior, passando de 0,09% para 0,35%. O óleo diesel, apesar de ter apresentado a maior alta (3,33%), não tem a mesma influência no grupo, assim como o etanol (0,52%) e o gás veicular (0,23%). A inflação dos combustíveis ficou em 0,77%.