Tamanho do texto

Empresa terá de pagar indenização de R$ 15 mil por danos morais, de acordo com determinação do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC); entenda

caixão arrow-options
Pixabay/Creative Commons
Funerária de Araranguá (SC) foi condenada por danos morais por velar mulher com fralda usada e pijama de hospital

Uma funerária de Araranguá, município situado no sul de Santa Catarina, terá de pagar indenização por danos morais por ter velado uma mulher com pijama do hospital. O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) fixou a indenização em R$ 15 mil devido ao constrangimento passado pelo homem durante o sepultamento de sua mãe.

Leia também: Quanto custa morrer? Veja os preços das flores até a cremação

De acordo com o processo, a empresa que fora contratada para prestar serviços funerários surpreendeu negativamente para além dos trajes de hospital. A mulher estava também com uma fralda geriátrica usada, e o caixão não estava decorado com flores.

A decisão de cobrar a indenização de R$ 15 mil partiu da 3ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça. O órgão julgador manteve, sob relatoria do desembargador Marcus Túlio Sartorato, a condenação de 1º Grau, mas aumentou a quantia de indenização de R$ 8 mil para R$ 15 mil.

"Não há dúvidas de que o autor, filho da falecida, sofreu situação que ultrapassou o mero aborrecimento do cotidiano. Isto é, em um momento de extrema vulnerabilidade, no qual a única preocupação que deveria ter é despedir-se de sua mãe, teve que entrar em contato com a ré para que esta providenciasse uma cerimônia minimamente adequada, com a assepsia da de cujus e a decoração do caixão . Não restam dúvidas de que o valor ora arbitrado na origem comporta elevação", explicou o desembargador.

Leia também: Vaticano vai falir? Líderes falam em "estratégia para desacreditar o Papa"

O julgamento, com decisão unânime, teve a participação da desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta e do desembargador Saul Steil (Apelação Cível n. 0301157-21.2016.8.24.0004).