Tamanho do texto

Roberto Campos Neto contrariou a prévia do PIB divulgada pelo próprio BC e estimou que a economia teve ligeiro crescimento no segundo trimestre

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, disse que economia deve acelerar com liberação do FGTS e do PIS

Em audiência pública realizada nesta terça-feira (27) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, projetou aceleração da economia brasileira com a liberação dos saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do Programa de Integração Social (PIS) e disse ainda que a atividade econômica pode ter crescido lligeiramente no segundo trimestre deste ano.

Leia também: Dólar mantém alta e opera acima de R$ 4,15

“Com base nos dados disponíveis, estimamos que o PIB tenha ficado estável ou crescido ligeiramente. Para os trimestres seguintes, esperamos alguma aceleração, que deve ser reforçada pelo efeito da liberação de recursos do FGTS e PIS-Pasep ”, afirmou.

Campos Neto lembrou que os resultados do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, do segundo trimestre, serão divulgados nesta quinta-feira (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), prévia do PIB, divulgada neste mês, apontou retração de 0,13% no período, o que caracterizaria o início de uma recessão técnica .

“Em relação à atividade econômica, dados recentes sugerem a possibilidade de retomada do processo de recuperação da economia brasileira, que tinha sido interrompido nos últimos trimestres. Nosso cenário supõe que essa retomada ocorrerá em ritmo gradual”, disse.

Campos Neto defendeu a continuidade de reformas na economia brasileira. “Em um contexto de pouco espaço fiscal para investimentos públicos, reiteramos a importância da continuidade do processo de reformas e ajustes que gerem sustentabilidade da trajetória fiscal futura. Ao reduzirem incertezas fundamentais sobre a economia brasileira, as reformas tendem a estimular o investimento privado”, destacou.

Ele acrescentou que “uma retomada mais robusta da economia depende também da agenda microeconômica, que inclui iniciativas que visam ao aumento de produtividade, ganhos de eficiência, maior flexibilidade da economia e melhoria do ambiente de negócios”.

Inflação e taxa de juros

Segundo o presidente do BC, a consolidação da inflação em torno da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional e a ancoragem das expectativas de inflação têm permitido a redução consistente da taxa de juros. Ele lembrou que a taxa básica de juros, a Selic , que estava em 14,25% ao ano em outubro de 2016, está atualmente em 6% ao ano .

Campos Neto disse ainda que o nível de ociosidade elevado da produção no país pode continuar reduzindo as expectativas de inflação. “Por outro lado, uma eventual frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação.”

Leia também: Novo parecer da Previdência apresentado ao Senado inclui estados e municípios

“A consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo monetário [redução da taxa Selic]. É fundamental enfatizar que a comunicação não restringe a próxima decisão do Copom [Comitê de Política Monetária] e que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”, destacou.