Tamanho do texto

Número de pessoas que trabalham menos horas do que gostariam é o maior desde 2012: 7,4 milhões de trabalhadores se encontram nesta situação

Desempreho arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Desemprego cai para 12%, mas ainda atinge 12,8 milhões de brasileiros

Depois de um começo de ano ruim para quem busca trabalho, o desemprego cedeu no segundo trimestre do ano. O número de pessoas que procura uma vaga caiu para 12,8 milhões, e a taxa para 12%. Os dados são da pesquisa Pnad Contínua, divulgada pelo IBGE nesta quarta-feira.

Leia também: Em ano com aumento da informalidade, reforma trabalhista frustra expectativas

O levantamento considera tanto o mercado que contrata com carteira quanto o informal. A previsão dos analistas consultados pela Bloomberg era de desemprego de 12% no segundo trimestre de 2019.

Se considerados, além dos desempregados, as pessoas que desistiram de procurar emprego diante da dificuldade de encontrar uma vaga, trabalhadores que fazem uma jornada semanal inferior a 40 horas e gostariam de trabalhar mais, e pessoas que procuraram vaga mas não estavam disponíveis para começar por razões diversas, como não ter com quem deixar o filho, é possível dizer que falta trabalho para 28,4 milhões de brasileiros. Esse grupo ficou estável em relação ao começo do ano, mas cresceu na comparação com o segundo trimestre de 2018, em 923 mil pessoas.

O número de desalentados, aqueles que desistiram de procurar vaga por falta de esperança, foi estimado em 4,9 milhões de pessoas e ficou estável nas duas comparações.

O grupo de desempregados encolheu em 621 mil pessoas em relação ao começo deste ano e ficou estável na comparação com o segundo trimestre de 2018.

A população empregada cresceu nas duas comparações, somando 93,3 milhões de pessoas - mais 1,5 milhão de pessoas em relação ao trimestre anterior e mais 2,4 milhão na comparação como o mesmo período de 2018. Cresceu o número de trabalhadores com carteira, para 33,2 milhões de pessoas, mas o número de trabalhadores sem carteira também subiu, para 11,5 milhões de pessoas.

No primeiro trimestre do ano,  nenhum setor da economia contratou e tanto o grupo de desocupados quanto a taxa de desemprego haviam crescido, para 13,4 milhões e 12,7%, respectivamente. Faltava emprego para um em cada quatro trabalhadores no Brasil.

Havia 28,3 milhões de brasileiros nessa situação, o maior patamar já então registrado na pesquisa. Um ano antes, no segundo trimestre de 2018, o desemprego atingia 12,9 milhões de pessoas e a taxa era de 12,4%. Faltava emprego para um total de 27,6 milhões de pessoas.

Leia também: Bolsonaro critica perda de propriedade em caso de trabalho análogo à escravidão

Já no segundo trimestre, cinco setores voltaram a contratar, em relação ao trimestre anterior: a indústria teve alta de 319 mil pessoas, a agricultura de 233 mil, a administração pública de 469 mil, outros serviços 150 mil e serviços domésticos mais 150 mil. Em relação ao ano anterior, a população ocupada na indústria ficou estável, em 12 milhões de trabalhadores.