Tamanho do texto

No mês imediatamente anterior, taxa era de 12,7%; mesmo com a queda, um em cada quatro brasileiros ainda está desempregado ou é subutilizado

Vendedor ambulante
Aaron Favila/Agência Pública
Desemprego no Brasil caiu durante o mês de abril, mas ainda alcança 13,2 milhões


A taxa de desemprego no Brasil reucou para 12,5% no mês de abril, atingindo 13,2 milhões de brasileiros, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C) do IBGE, o número é 0,2 ponto percentual (p.p) menor do que o registrado no mês imediatamente anterior, março,  quando o desemprego foi de 12,7% e chegava a 13,4 milhões de pessoas.

A população empregada foi estimada em 92,4 milhões de pessoas. Ficou estável na comparação com o trimestre anterior e ganhou dois milhões de pessoas em relação a abril do ano passado.

Apesar da queda, o índice do mês de abril ainda é o segundo maior registado no ano, ficando atrás apenas de março. Em janeiro, o número de descupados foi de 12% da população, enquanto atingiu 12,4% em fevereiro.

Confira as taxas de desemprego em 2019:

  • Novembro-dezembro-janeiro: 12%
  • Dezembro-janeiro-fevereiro: 12,4%
  • Janeiro-fevereiro-março: 12,7%
  • Fevereiro-março-abril: 12,4%

Número de trabalhadores subutilizados bate recorde

Mesmo com o recuo no número de desempregados no País, a quantidade de trabalhadores subutilizados  — ou seja, aquelas que estão desempregados, subocupados (trabalham menos de 40 horas semanais), desalentados (que desistiram de procurar emprego) e que poderiam estar ocupados, mas não trabalham  — atingiu 28,4 milhões de pessoas (24,9%), maior número já registrado desde que começou a ser contabilizado, em 2012.

Esse número demonstra que um em cada quatro brasileiros em condições de trabalhar está desempregado ou subutilizado . Já a população desalentada também alcançou índices recordes na série história do IBGE , chegando a 4,9 milhões em abril, um alta de 4,2% em um ano ((199 mil pessoas a mais).

Recuo do PIB

Os dados do desemprego no Brasil foram divulgados um dia depois de o IBGE informar que a economia do País recuou 0,2% no primeiro trimestre do ano . A alta taxa de descoupados é uma das razões para o Produto Interno Brasileiro (PIB) ter apresentado um desempenho ruim.