Tamanho do texto

Apesar de reconhecer corte de custos, a presidente do IBGE diz que enxugamento de questões aconteceria de qualquer forma; questionário básico terá 25 em vez de 34 perguntas e completo 76, e não mais 102

presidente do IBGE%2C Susana Cordeiro Guerra
Agência Brasil/Fernando Frazão
Segundo Guerra, o enxugamento de questões do Censo 2020 aconteceria mesmo sem o corte de gastos


A presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Susana Cordeiro Guerra, confirmou, na noite desta terça-feira (28), a redução no número de perguntas dos questionários do Censo 2020.

Leia também: Bolsonaro ataca IBGE, diz que não é fácil ser patrão e se isenta por desemprego

Segundo Guerra, o questionário básico, que será aplicado em todos os 71 milhões de domicílios brasileiros terá 25 perguntas, e não mais 34 como na última pesquisa, realizada em 2010. Dessa forma, o tempo de preenchimento do Censo 2020 passa de sete para quatro minutos, em média.

Já o questionário mais completo, destinado a uma amostra de 10% das residências do País, teve uma redução de 102 perguntas para 76.

Com a diminuição no número de perguntas do questionário , os gastos com a realização da pesquisa sofre passa dos R$ 3,1 bilhões previstos para R$ 2,3 bilhões, uma redução de 25%. O corte no orçamento do Censo foi determinado pelo governo , em meio a uma política de redução de gastos em muitos setores do País.

Apesar do enxugamento de perguntas ser resultado do corte no orçamento, a presidente do IBGE  diz que a redução da pesquisa está em sintonia com a tendência internacional e visa uma modernização que torne a operação mais simples e ágil.

"O mundo inteiro está caminhando para uma otimização da operação censitária", disse Guerra, que reconhece o contexto de restrição orçamentária do País, mas nega ter recebido qualquer orietanção do governo federal para diminuir os questionários. "Nunca houve uma ordem para diminuir o número de perguntas. A única coisa que houve foi um quadro de restrição orçamentária", afirmou.

"Mas o IBGE tem total autonomia e independência para decidir como vai se adequar a esse contexto. E mesmo sem a restrição orçamentária, nós estaríamos tomando as mesmas decisões que estamos tomando nesse momento", completou a presidente.

Exugamento não deve prejudicar Censo 2020, diz IBGE

Susana Cordeiro Guerra%2C presidente do IBGE
Licia Rubinstein/Agência IBGE
Dados com a emigração internacional não farão mais parte do questionário no Censo 2020


Susana justifica o enxugamento com um novo momento do Brasil. Segundo ela, é impossível pensar numa mesma forma de se fazer, em 2020, o mesmo questionário pensado para 2010.  "O mundo mudou e o Brasil também mudou. O mundo está mais veloz. As pessoas tem uma atenção mais curta. Elas estão inseridas em várias mídias sociais. Lidamos com outro tipo de cidadão e outra propensão de abordagem. Podemos imaginar diversas diferenças que separam esses últimos 10 anos em termos tecnológicos", disse.

O diretor de pesquisas do IBGE , Eduardo Rios-Neto, disse que mais importante que o número de perguntas é a qualidade dos questionários. "Essa numerologia não é a principal questão. O principal é a qualidade do questionário e as dimensões coletadas. Muito mais que a questão de números de perguntas é o tempo de coleta dos dados. Esse é o grande desafio do Censo", explicou.

Mudanças

Entre os temas que não estarão mais presentes no Censo 2020, estão perguntas envolvendo a emigração internacional, que foram totalmente excluídas sob o argumento de que se trata de um evento raro e que os dados sobre o tema podem ser obtidos em registros da Polícia Federal e em estimativas demográficas. 

Questões que dizem respeito ao deslocamento de estudantes até suas unidades de ensino, ao estado civil e ao número de horas trabalhadas. Segundo o IBGE, essas informações poderão ser obtidas respectivamente em pesquisas amostrais regulares, em dados de registro civil coletados pelo IBGE e na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

 Confira a lista de temas que estarão inclusos na pesquisa:

  • lista de moradores;
  • características do domicílio;
  • identificação étnico-racial;
  • nupcialidade;
  • núcleo familiar;
  • fecundidade;
  • religião ou culto;
  • deficiência;
  • migração interna e internacional;
  • educação;
  • deslocamento para estudo;
  • deslocamento para trabalho;
  • trabalho e rendimento;
  • mortalidade.

O Censo

Sede IBGE
Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias
Censo é realizado pelo IBGE em todos os municípios brasileiros a cada dez anos


O Censo brasileiro é realizado a cada dez anos e é a única pesquisa domiciliar que vai a todos os 5.570 municípios do País. Seu objetivo é medir densidade populacional e oferecer um retrato da população brasileira. As informações obtidas subsidiam a elaboração de políticas públicas e decisões dos governos relacionadas com a alocação de recursos financeiros.

Leia também: Demissão de diretor não foi motivada pelo censo, diz presidente do IBGE

Para o Censo 2020 , o IBGE pretende mobilizar até 190 mil recenseadores. A última edição foi em 2010. De lá para cá, o IBGE estima que a população tenha aumentado em cerca de 10,4%.