Tamanho do texto

Pelo terceiro ano consecutivo, o número de mulheres que comandam suas casas subiu; em 2018, elas foram chefes em 45% dos lares, e eles, em 55%

Homem e mulher sentados de costas
shutterstock
Em um ano, 1,8 milhões de residências passaram a ser comandadas por mulheres


O número de mulheres que são responsáveis pelos seus domicílos subiu pelo terceiro ano consecutivo, segundo dados da pesquisa Pnad Contínua, divulgados nesta quarta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia também: Mulheres em cargos de chefia chegam a ganhar um terço do salário dos homens

Apesar do aumento de mulheres tidas como chefes do lar, elas ainda são minoria no assunto. De acordo com o relatório, das 71 milhões de residências existentes no Brasil no ano passado, 55% era chefiada por homens e 45% por mulheres .

Em números, a quantidade de famílias chefiadas por homens caiu de 39,1 milhões em 2017 para 38,8 milhões no ano seguinte. Para as mulheres, o aumento foi de 1,8 milhões de casas entre 2017 e 2018, passando de 30,3 milhões para 32,1 milhões no ano passado.

Leia também: Mulheres receberam 20,5% menos que os homens em 2018, revela IBGE

Quando observado a longo prazo, a diferença é ainda mais ampla: em 2012, primeiro ano do levantamento, os homens comandavam 63% dos lares , enquanto as mulheres eram responsáveis por 37%.


    Leia tudo sobre: casa