Tamanho do texto

Para Jerome Cadier, situação deve durar de quatro a seis meses, até que as demais aéreas consigam autorização para suprir a demanda de voos

Avião Avianca Brasil
Divulgação/Avianca Brasil
Crise na Avianca fará com que as tarifas das viagens no Brasil aumentem por até seis meses

A crise financeira da  Avianca Brasil aumentou a demanda por passagens aéreas dos concorrentes, assim como os preços dos bilhetes, avalia o presidente da operação brasileira da Latam, Jerome Cadier.

Leia também:Oito aeroportos brasileiros já adotaram novas regras para bagagem de mão

Na opinião do executivo, os preços acima do normal podem vigorar por no mínimo quatro a seis meses, até as demais companhias aéreas conseguirem autorização para suprir a demanda de voos causa pela situação da Avianca .

Cadier ressalta que o aumento das tarifas foi mais sentido em rotas em que a companhia era muito relevante, como em Guarulhos, Congonhas, Santos Dumont e Brasília. A Avianca está desde dezembro em recuperação judicial e já cancelou mais de dois mil voos.

Na entrevista, o executivo também detalha os planos da Latam para o leilão de ativos da Avianca , marcado para a próxima terça-feira, dia 7.

Leia também: Gol vai reajustar preços de passagens e de venda de milhas, diz Smiles