Tamanho do texto

Em evento no Rio de Janeiro que discutiu o projeto do "choque de energia barata", o ministro falou sobre o futuro da estatal e atacou gestões anteriores ao dizer que a empresa teve suas funções originais distorcidas; confira

Paulo Guedes, ministro da Economia
Valter Campanato/Agência Brasil - 16.4.19
O ministro da Economia, Paulo Guedes, falou que "quebrar o monopólio do refino" da Petrobras

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Carlos Langoni se reuniram nesta sexta-feira (26), em evento no Rio de Janeiro, para discutir o projeto do "choque de energia barata". O ministro também falou sobre o futuro da Petrobras, destacando que o objetivo do governo é a quebra do monopólio da estatal em refino e transmissão de gás, além de devolver a empresa a sua atividade estrutural, a exploração de petróleo.

Leia também: "Vamos acalmar juntos", diz Guedes sobre dólar no Brasil e na Argentina

"Petrobras é uma grande empresa que foi ocupada por pessoas que distorceram suas funções originais", atacou. "Vamos devolver a Petrobras à sua atividade natural, a exploração de petróleo, e quebrar o monopólio no refino, na transmissão de gás e nas distribuidoras estaduais", defendeu Guedes.

De acordo com o ministro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) está animado com a possibilidade de baratear o custo da energia no Brasil, que pode acontecer já nos próximos meses.

"O presidente Bolsonaro está animado com esta ideia. O governo quer celeridade, e Langoni projeta que o choque de energia barata poderá entrar em vigor dentro de 60 dias", declarou Guedes durante o encontro. Segundo ele, os estados também estão dispostos a fazer parte deste plano.

Leia também: "Se Bolsonaro não falar, vai ajudar", diz presidente de comissão da Previdência

"Langoni já está conversando com governadores, e estados como Rio e Espírito Santo querem aderir o quanto antes a este projeto. São Paulo e Minas Gerais também estão entusiasmados com o projeto", revelou, ainda sem dar detalhes de como seria o funcionamento.