Tamanho do texto

Jack Ma, cofundador do Ali Baba Group, afirmou que o 'esquema 996', que protagoniza as longas jornadas, valoriza os que "encontraram sua paixão além dos ganhos financeiros"; ele, no entanto, é o homem mais rico da China

Jack Ma, homem mais rico da China
Divulgação
Jack Ma, homem mais rico da CHina, chamou de "benção" trabalho de 12 horas por dia

O bilionário chinês Jack Ma, cofundador do Ali Baba Group e homem mais rico do país asiático, reforçou que defende que os trabalhadores de tecnologia devem abraçar o esquema de sobrecarga de horas de trabalho do setor na China, mesmo após ter gerado uma série de críticas nas mídias sociais no fim de semana, ao comentar o tema na sexta-feira (12). Ele classificou trabalhar 12 horas por dia como "uma benção".

Leia também: Ao lado de 47 empresas, Animale entra na nova 'lista suja' do trabalho escravo

O chinês reiterou a importância do "esquema 996", sistema adotado em sua empresa, em que se trabalha até 12 horas por dia (das 9h às 21h), de segunda a sábado (6 dias por semana), citando a importância da empresa para jovens trabalhadores apaixonados pela área.

Em seu blog, Jack Ma discorreu sobre o tema, afirmando que "poder trabalhar no esquema 996 é uma enorme bênção. Se você quiser fazer parte do Alibaba , precisa estar preparado para trabalhar 12 horas por dia, caso contrário, por que se incomodar?".

O esquema, no entanto, motivou críticas de trabalhadores, que citaram a exploração e a falta de compensação de horas extras, além do enriquecimento do bilionário às custas dos que trabalham 12 horas diariamente. “Trabalhamos 996 porque somos explorados sem compensação de horas extras”, rebateu um trabalhador na rede.

Outros caracterizaram o esquema 996 como extenuante, relembrando histórico de programadores e fundadores de startups que morreram de estresse e ansiedade após trabalharem sem parar em modelos similares na área de tecnologia. Além da carga horária, as condições de trabalho também foram duramente criticadas.

No último domingo, Ma afirmou que compreendia as reações contrárias, mas sustentou sua posição de defesa ao esquema de sua empresa. "Entendo essas pessoas, e eu poderia ter dito que seria 'correto'", escreveu ele sobre as 12 horas diárias. No entanto, ele disse que "atualmente, não precisamos de pessoas dizendo coisas 'corretas', e sim de alguém que diga a verdade e faça todos refletirem", defendeu.

Dono de um patrimônio estimado em US$ 40 bilhões (segundo índice elaborado pela Bloomberg ), Jack Ma afirmou ainda que os trabalhadores que se entregam ao esquema 996 "são os que encontraram sua paixão além dos ganhos financeiros", valorizando quem aceita as condições de trabalho oferecidas, que obrigam os funcionários a longas jornadas para poder atuar em uma grande empresa.

Leia também: Sindicato vai denunciar organização do Lollapalooza por trabalho escravo

O diretor executivo Richard Liu, da principal concorrente do Alibaba, a JD.com, afirmou recentemente em post no WeChat que nunca forçaria ninguém a trabalhar no esquema, mas disse que trabalhadores "preguiçosos" não eram considerados "seus irmãos".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.