Tamanho do texto

Entre as 23 unidades federativas verificadas, Ceará e Rondônia lideraram o aumento das despesas com servidores ativos e inativos, respectivamente

camilo santana
Arquivo/Agência Brasil
O Ceará, do governador Camilo Santana (PT), liderou o crescimento dos gastos com servidores ativos em 2018: 12,79%

Os gastos com pessoal em 23 estados tiveram um aumento real médio de 2,9% em 2018 frente a 2017. O resultado, divulgado nesta segunda-feira (15) pelo Ipea (Instituito de Pesquisa Econômica Aplicada), é quase três vezes superior ao crescimento de 1,1% do PIB (Produto Interno Bruto) no mesmo período.

Leia também: Mercado financeiro reduz expectativa de crescimento do PIB pela sétima vez

Segundo levantamento do instituto, os gastos com servidores inativos mantiveram uma trajetória ascendente, alcançando uma taxa média de crescimento de 7,6% em 2018. A porcentagem é dez vezes maior que o aumento das despesas com os ativos, que fecharam o ano passado em 0,7%. 

A análise se refere a apenas 23 estados porque não foi possível construir indicadores com os dados disponíveis para Amapá, Rio Grande do Norte e Roraima, nem com os existentes sobre inativos no Piauí. Esse conjunto de 23 estados gastou com pessoal, em valores reais, mais de R$ 373 bilhões em 2018. O montante inclui servidores ativos e inativos. 

Rondônia (22,8%) e Tocantins (17,1%) foram os estados que registraram maior crescimento nos gastos com inativos. Das 23 unidades federativas (UFs) consideradas, apenas Rio de Janeiro e Sergipe não apresentaram aumento em 2018. Considerando apenas servidores ativos, 14 estados tiveram crescimento nos gastos, liderados por Ceará (12,79%) e Pará (8,52%). 

Cláudio Hamilton dos Santos, um dos autores do estudo e pesquisador do Grupo de Conjuntura do Ipea, explica que, ao se considerar os números de servidores, o crescimento dos gastos com inativos não surpreende. “Esse cenário reflete o alto número de novas aposentadorias, fenômeno que já vem ocorrendo há alguns anos”, avaliou.

Chama mais a atenção, segundo o pesquisador, o fato de vários estados terem apresentado crescimento nos gastos com ativos, o que não vinha acontecendo em anos recentes. “Talvez por ter sido um ano eleitoral, o fato é que vários estados apresentaram pequenos aumentos nos quadros de servidores estatutários em 2018”, comentou Santos.

Leia também: Pessimista, governo projeta rombo fiscal para 2020 maior que o deste ano

Na análise do quantitativo de servidores em 2018, dois estados apresentam número de inativos maior que o de ativos: Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Os mineiros fecharam o ano com 283.614 inativos e 245.319 ativos. Já os gaúchos encerraram o mesmo período com 167.532 inativos e 107.906 ativos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.