Tamanho do texto

Segundo o líder dos caminhoneiros, Wallace Landim,foi o presidente quem determinou que o preço do combustível não subisse nesta sexta-feira (12); ontem, petroleira anunciou aumento de 5,74%, vendido a R$ 2,2662. Veja

Presidente Jair Bolsonaro
Alan Santos/PR
Caminhoneiros acreditam que Bolsonaro segurou alta do preço do diesel; Petrobras não confirmou


A Petrobras anunciou, na noite desta quinta-feira (11), que não aumentaria mais o preço do diesel e m 5,74%, conforme havia anunciado mais cedo . A alta no valor do combustível estava prevista para acontecer a partir desta sexta-feira (12). 

Com o aumento, o diesel passaria a ser vendido por R$ 2,2662, e não mais a  R$ 2,1432, valor que continua em vigor. De acordo com o lider dos caminhoneiros, Wallace Landim, também conhecido como Chorão, a determinação de manter o preço do combustível veio do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo , Landim disse que Bolsonaro está ao lado do povo. "Agradecemos mais uma vez ao governo e ele mostra que está ao lado do povo". "O ministro Tarcísio [Gomes de Freitas, da Infraestrutura] já tinha nos passado que não iria ter aumento, que o governo iria segurar. Eu achei estranho quando vi a notícia à tarde", explicou o caminhoneiro .

Em nota, a Petrobras a firmou que há margem para postergar o aumento do diesel por "alguns dias", mas não comentou sobre uma possível influência do presidente.  "A Petrobras informa que, em consonância com sua estratégia para os reajustes dos preços do diesel divulgada em 25/3/2019, revisitou sua posição de hedge e avaliou ao longo do dia, com o fechamento do mercado, que há margem para espaçar mais alguns dias o reajuste no diesel. A empresa reafirma a manutenção do alinhamento com o Preço de Paridade Internacional (PPI)", publicou a estatal.

Governo tenta evitar nova greve dos caminhoneiros

Caminhoneiros sentados no chão, na estrada, durante paralisação da categoria
Tomaz Silva/Agência Brasil
Para evitar nova greve dos caminhoneiros, governo federal tenta agradar categoria


Desde o último mês, integrantes do governo federal tem feito tentativas de agradar os caminhoneiros, na esperança de reduzir as possibilidades de uma nova greve da categoria. 

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, chegou a dizer que Bolsonaro tem um " amor muito grande" pelos caminhoneiros . O presidente Bolsonaro determinou que o Ministério trabalhe para melhorar a condição de vida do caminhoneiro na estrada. Ele tem um amor muito grande pela categoria. Vamos intensificar a fiscalização do cumprimento da lei do preço mínimo do frete, vamos construir postos de parada, principalmente nas rodovias concessionadas. Vamos aplicar recursos para fazer a manutenção das vias e trabalhar intensamente para melhorar as condições de vida dos caminhoneiros ", declarou.

Dias antes, o presidente anunciou a criação de um cartão caminhoneiro , que vai garantir a compra de diesel e outros combustíveos sem variação contínua de preço, e ainda prometeu outras medidas em breve  para a categoria.