Tamanho do texto

No Twitter, presidente defendeu a aprovação do texto enviado ao Congresso, alegando que a proposta combate privilégios e abrange todas as categorias

Bolsonaro defendeu que é a partir da reforma da Previdência que o Brasil terá condições de estabilizar as contas
Alan Santos/Presidência da República
Bolsonaro defendeu que é a partir da reforma da Previdência que o Brasil terá condições de estabilizar as contas

Em publicação no Twitter, Jair Bolsonaro (PSL) defendeu a aprovação da nova Previdência, alegando que os avanços que o País precisa dependem dessas mudanças. Segundo escreveu o presidente nesta quinta-feira (7), é a partir da reforma que o Brasil terá condições de estabilizar as contas, potencializar investimentos e viabilizar uma outra reforma, a tributária.

Leia também: Bolsonaro confirma mudanças na aposentadoria dos militares e pede "sacrifício"





Logo após a publicação de Bolsonaro, a Bolsa de Valores brasileira registrou leve alta, fechando o pregão com variação positiva de 0,13%. Para o mercado financeiro, o presidente acertou ao voltar a falar sobre a reforma da Previdência , principalmente depois dos polêmicos tuítes sobre o Carnaval , que levantaram questionamentos no mundo inteiro quanto ao comprometimento do governo com a aprovação do projeto.

Em publicação posterior, Bolsonaro também destacou que o modelo de Previdência proposto pela sua equipe econômica segue os padrões adotados internacionalmente e combate privilégios, além de prejudicar menos os mais pobres e incluir todas as categorias, incluindo políticos e militares . "Seguimos!", finalizou o presidente.





Leia também: PT deve usar texto de Haddad como oposição à Previdência de Bolsonaro

Bolsonaro ainda compartilhou um trecho do pronunciamento feito no último dia 20, quando o presidente entregou a proposta de reforma da Previdência ao Congresso Nacional. Com os três tuítes publicados hoje, segundo levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo , Bolsonaro totaliza apenas oito postagens sobre o assunto, o equivalente a menos de 1% das postagens que o presidente fez na rede social desde que assumiu o cargo.