Tamanho do texto

Número de desempregados é o maior desde agosto do ano passado; em dezembro de 2018, desocupados eram 12,2 milhões (11,6%) de pessoas

Segundo dados divulgados pelo IBGE, mais de 318 mil pessoas perderam o emprego entre outubro de 2018 e janeiro deste ano
Camila Domingues/Palácio Piratini/Divulgação
Segundo dados divulgados pelo IBGE, mais de 318 mil pessoas perderam o emprego entre outubro de 2018 e janeiro deste ano


A taxa de desemprego no Brasil cresceu em janeiro. De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (27) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 12,7 milhões de brasileiros estavam sem emprego no no trimestre entre novembro de 2018 e janeiro de 2019, o equivalente a 12% da população apta para trabalhar.

Esse é o maior número de desocupados registrado desde agosto do ano passado. O número também é mais alto quando comparado com a taxa de desemprego no Brasil do mês imediatamente anterior (dezembro de 2018), que foi de 11,6%, resultando em 12,2 milhões de pessoas desempregadas .

O aumento no número de brasileiros desempregados é principalmente influenciado, em janeiro, pelo vim das vagas temporárias de trabalho, que normalmente surgem antes das festas de fim de ano. Segundo o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE , Cimar Azeredo, a sazonalidade é comum nesta época do ano. “Com a entrada do mês de janeiro, houve um aumento da taxa de desocupação. É algo sazonal, é comum a taxa aumentar nessa época do ano por causa da diminuição da ocupação", explicou.

Apesar disso, o coordenador afirmou que este trimestre fechado em janeiro foi “menos favorável” que os mesmos períodos de 2018 e 2017. “Ano passado houve estabilidade na população ocupada e na desocupada, enquanto, neste ano, cresceu o número de desocupados”, declarou.

Leia também: Desemprego atinge maior nível dos últimos anos em metade das capitais do País

Em relação ao trimestre anterior, de agosto a outubro de 2018,  quando marcava 11,7%, a taxa de desemprego aumentou 0,3 ponto percentual (p.p), o que significa um crescimento de 2,6% (mais de 318 mil pessoas) no número de desocupados. Já a população ocupada (92,5 milhões) caiu 0,4 p.p em relação ao trimestre anterior, o que significa uma diminução de 354 mil pessoas empregadas.

Com desemprego no Brasil em alta, cresce números de trabalhadores por contra própria

Aumento de desemprego no Brasil gerou maior número de trabalhadores por conta própria; apesar disso, número de pessoas sem carteira assinada caiu
Aaron Favila/Agência Pública
Aumento de desemprego no Brasil gerou maior número de trabalhadores por conta própria; apesar disso, número de pessoas sem carteira assinada caiu


O montante de trabalhadores por contra própria aumentou 1,2% (mais 291 mil pessoas) em relação ao último trimestre pesquisado, contendo, agora, 23,9 milhões de brasileiros. Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (novembro de 2017 a janeiro de 2018), a alta foi de 3,1% (719 mil pessoas a mais).

Leia também: Entenda cálculo e regras de transição propostas pelo governo na nova Previdência

Apesar do aumento da taxa de desemprego no Brasil , o número de empregados com carteira assinada ficou estável, reunindo 32,9 milhões de pessoas. A quantidade de trabalhadores sem carteira diminuiu em 321 mil pessoas (-2,8%), resultando em 11,3 milhões de funcionários informais.