Tamanho do texto

Acompanhado do ministros Paulo Guedes e Onyx Lorenzoni, o presidente foi ao Congresso para entregar o projeto; idades mínimas foram confirmadas

Bolsonaro foi até o Congresso Nacional nesta quarta-feira (20) para entregar a proposta de reforma da Previdência
Reprodução/ TV Câmara
Bolsonaro foi até o Congresso Nacional nesta quarta-feira (20) para entregar a proposta de reforma da Previdência


O presidente Jair Bolsonaro entregou, na manhã desta quarta-feira (20), a proposta de reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, para ser aprovada pelo Congresso Nacional. Ele estava acompanhado do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Bolsonaro já havia anunciado que iria entregar o projeto de reforma da  Previdência pessoalmente  e foi recepcionado pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). A reunião para a entrega durou cerca de 20 minutos.

Até agora, o que se sabe sobre a nova Previdência são as idades mínimas estipuladas para a aposentadoria : de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres, em um período de transição de 12 anos. As informações foram confirmadas na manhã de hoje (20).

Outros detalhes da proposta não foram divulgados até o momento. A informação é de que técnicos da Previdência darão mais informações sobre o texto no fim da manhã.

 A Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência adiantou, também, que Bolsonaro pode fazer um pronunciamento ainda hoje com mais detalhes sobre o projeto. Ainda não se sabe, no entanto, se o possível discurso será feito via rádio e TV ou pela internet, através de suas redes sociais oficiais.

Entenda o caminho da reforma da Previdência até a aprovação

Mourão e Bolsonaro esperam aprovar a reforma da Previdência ainda neste primeiro semestre e, para isso, precisam conseguir votos favoráveis
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Mourão e Bolsonaro esperam aprovar a reforma da Previdência ainda neste primeiro semestre e, para isso, precisam conseguir votos favoráveis


Depois de entregue, a proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e será discutida e votada em uma comissão especial da Casa.  Então, segue para a aprovação do plenário, onde precisa conseguir, em dois turnos, no mínimo três quintos (ou seja, 308 votos) de posições favoráveis dos deputados.

Conseguindo a votação necessária, o projeto segue para o Senado Federal, onde também será discutido antes de ir para o plenário. Uma vez ali, precisa obter 49 votos favoráveis também em duas votações diferentes.

Na terça-feira (19), o vice-presidente Hamilton Mourão disse que imagina que a reforma já tenha cerca de 250 votos favoráveis na Câmara dos Deputados, e que eles ainda precisam conquistar "de 60 a 70 votos" de parlamentares indecisos. "A gente sabe que a oposição tem em torno de 150 votos [contra a reforma]. Então sobram 363 para serem garimpados. Acredito que temos 250. Então entre 60, 70 votos terão que ser buscados", calculou Mourão .

Entrega do projeto registrou prostestos

Opositores à reforma da Previdência protestaram enquanto Bolsonaro chegava para entregar o projeto
Reprodução/redes sociais
Opositores à reforma da Previdência protestaram enquanto Bolsonaro chegava para entregar o projeto


A oposição, contrária à proposta, protestou em frente ao gabinete da presidência da Câmara. Um grupo de deputados , usando aventais alaranjados e laranjas nas mãos, fez críticas à reforma da Previdência.

Mais informações em instantes