Tamanho do texto

Agência Nacional de Mineração mede o potencial de dano a partir do que pode acontecer em caso de rompimento, como perdas humanas e ambientais

Barragem de Brumadinho que se rompeu na última sexta-feira (25) pertencia à mineradora Vale
Crisitiane Mattos
Barragem de Brumadinho que se rompeu na última sexta-feira (25) pertencia à mineradora Vale

Responsável pela  barragem que se rompeu na última sexta-feira (25) em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a Vale possui outras 59 barragens que, como a da tragédia, estão classificadas na categoria de alto potencial de dano. As informações são da Agência Nacional de Mineração (ANM). 

De acordo com a Agência, uma barragem é classificada com alto potencial de dano quando pode oferecer grandes riscos, caso se rompa,  de perda de vidas humanas e de impactos sociais, econômicos e ambientais. A avaliação da ANM aponta que 59 barragens pertencentes a mineradora Vale ou às suas subsidiárias se encontram nessa situação.

Na terça-feira (29), o presidente da Vale, Fabio Schvartsman,  afirmou que a empresa vai eliminar todas as barragens que, como as de Brumadinho e Mariana (tragédia similar que aconteceu em 2015), foram construídas pelo método chamado alteamento amontante.

Segundo o presidente, dez barragens serão fechadas. A mineradora não disse, entretanto, se essas dez fazem parte das 59 que apresentam alto potencial de dano. 

Entenda como é feita a classificação de barragens

Decisão de fechar estruturas veio após a tragédia na barragem da mineradora Vale, em Brumadinho
Moisés Silva
Decisão de fechar estruturas veio após a tragédia na barragem da mineradora Vale, em Brumadinho


Para classificar o nível de risco que uma barragem oferece, a ANM utiliza dois critérios: o dano potencial e o risco . Enquanto o dano potencial mede o que pode acontecer caso uma barragem se rompa (como quantas vidas humanas podem ser perdidas e qual o tamanho dos impactos sociais, econômicos e ambientais), o risco se refere a aspectos que podem influenciar para que um desastre como esse aconteça.

Assim, as barragens ganham uma classificação em escala, que vai de A a E. Barragens com alto dano potencial e alto risco, por exemplo, ficam na categoria A. Caso a barragem ofeceça baixo risco, mas alto dano potencial, fica na categoria B - como era o caso da barragem em Brumadinho . Na divisão E ficam as de baixo risco e baixo dano potencial.

Leia também: Ao menos 3,5 milhões de pessoas vivem em cidades com barragens de risco no País

Na categoria B, como a barragem da Vale que se rompeu, estão outras 196 estruturas. Entre elas, 181 estão na mesma situação que a de Bumadinho: baixo risco e alto potencial de dano. Apenas duas estão na categoria A.

200 barragens pelo Brasil tem situação similiar à da Vale

Barragem da mineradora Vale que se rompeu já deixou 99 mortos; 259 estão desaparecidos
undefined
Barragem da mineradora Vale que se rompeu já deixou 99 mortos; 259 estão desaparecidos


Leia também: Após Brumadinho, Vale perde quase R$ 70 bilhões de valor de mercado 

Além das 181 que estão exatamente na mesma situação da barragem de Brumadinho (com baixo risco e alto potencial de dano), são 200 as estruturas que oferecem alto potencial de dano, sem considerar os níveis de risco, espalhadas pelo Brasil. Entre essas, 132 ficam em Minas Gerais, mesmo local em que a barragem da Vale se rompeu.




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas