Tamanho do texto

Projeções do início do ano visavam um crescimento de 3% na economia, mas valor fechou em 1,3%; inflação permaneceu dentro do previsto, em 3,69%

Previsões para alguns setores da economia brasileira não se concretizaram no fim de 2018
shutterstock
Previsões para alguns setores da economia brasileira não se concretizaram no fim de 2018


Em 2018, algumas das previsões feitas pelo mercado financeiro no início do ano para a economia brasileira não aconteceram: é caso do valor do Produto Interno Bruto (PIB) e da cotação do dólar, por exemplo. As informações são do Boletim Focus, que teve sua última edição divulgada nesta segunda-feira (31) pelo Banco Central (BC).

Leia também: Cálculo da aposentadoria muda a partir desta segunda-feira; saiba mais

Para o PIB - que é a soma de todos os bens e serviços produzidos pela economia brasileira - a projeção do Boletim Focus divulgada em janeiro de 2018 era de crescimento de 2,70% no fim do ano. De acordo com as informações do último relatório, no entanto, a estimativa é de que o índice feche o ano com crescimento de apenas 1,30%.

Apesar de apresentar previsões estáveis durante os primeiros três meses do ano, o índice começou a cair entre maio e abril, quando aconteceu a greve dos caminhoneiros . Nessa época, os estimativas para o PIB chegaram a cair semanalmente e alcançou, na última semana de maio, 2,37%

Em junho, a projeção já estava quase na metade da estipulada no começo do ano, marcando 1,94% .  O resultado oficial do PIB do Brasil neste ano, no entanto, só será divulgado em março de 2019.

As expectativas para a cotação do dólar também não se mantiveram as mesmas do início de 2018, quando a previsão era de que a moeda americana ficasse a R$ 3,34 no fim do ano. A projeção atual, segundo o Boletim Focus divulgado hoje, é de que o dólar feche o ano vendido a R$ 3,8742. 

Entre os fatores que fizeram a moeda disparar frente ao real, estão a guerra comercial travada entre China e Estados Unidos, o pessimismo generalizado em relação aos países emergentes e até a saída do Reino Unido da União Europeia – o famoso Brexit. 

Leia também: Cenário externo abafa eleições no Brasil e determina disparada do dólar em 2018

Apesar de algumas previsões frustradas, setores da economia brasileira como a inflação e a taxa Selic tiveram suas estimativas mantidas

Inflação e Selic foram setores da economia brasileira que se mantiveram estáveis
Pixabay
Inflação e Selic foram setores da economia brasileira que se mantiveram estáveis


As projeções do mercado financeiro para a inflação e a taxa Selic, no entanto, foram certeiras. De acordo com o Boletim Focus , o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) , que mede a inflação oficial do País,  deve fechar o ano em 3,69%. No início de 2018, a previsão era de 3,95% .

A estimativa está abaixo da meta de inflação estipulada pelo Banco Central . Para o fim deste ano, a meta é 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%.

A economia brasileira em 2018 também apresentou uma Selic (taxa básica de juros) quase estável, com previsões próximas entre começo e fim do ano. Em janeiro, os economistas esperavam uma taxa em 6,75% no fim de 2018, mas terminou em 6,5% .