Tamanho do texto

Segundo pesquisa da Precifica, os preços dos produtos às vésperas do Natal ficaram mais caros nos e-commerces; data deve R$ 9,4 bilhões em 2018

Às vésperas da data, preço dos presentes de Natal subiram 12,6%
shutterstock
Às vésperas da data, preço dos presentes de Natal subiram 12,6%


Para quem precisava comprar presentes de Natal, é melhor ter feito isso bem antes da data oficial. Isso porque de acordo com uma pesquisa realizada pela Precifica, divulgada nesta quinta-feira (20) os preços dos produtos ficam mais caros às vésperas das festas natalinas.

Leia também: Mais de 20% dos brasileiros das classes C, D e E extrapolam nos gastos de Natal

Segundo o levantamento, que mediu os preços entre 1º de novembro e 11 de dezembro, o valor dos presentes de Natal subiu 12,6% nos sites de todo o Brasil. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a data é a principal para o e-commerce brasileiro e deve faturar R$ 9,4 bilhões em 2018

 A maior alta foi registrada no dia 7 de novembro:  aumento de 32,3% em relação ao início do levantamento. Já o preço mais baixo apareceu no dia 24 de novembro, um dia depois a Black Friday , com deflação de 9,9%.

Leia também: Papai Noel deixa trono antes do fim do expediente e é vaiado em shopping de SP

"O levantamento confirma algo que já era percebido pelos consumidores. Em grandes datas para o varejo, o preço tende a subir até pelo aumento na procura pelos produtos. O interessante, porém, é notar categorias com mais apelo para o Natal registrarem queda nos valores”, afirmou Ricardo Ramos, CEO da Precifica.

Preço dos presentes de Natal por categoria

Celulares e Smartphones foram as cateogrias que mais sofreram aumento nos preços dos presentes de Natal
Rovena Rosa/Agência Brasil
Celulares e Smartphones foram as cateogrias que mais sofreram aumento nos preços dos presentes de Natal


No total, foram analisados 8.053 produtos em sete sites do País e cinco grandes categorias: “Brinquedos”, “Celulares e Smartphones”, “Eletrodomésticos”, “Games” e “TV e Vídeo”.

Leia também: Mais da metade dos brasileiros não vai gastar o 13º salário em compras de Natal

Os segmentos de "Celulares e Smartphones" e "TV e Vídeo" impulsionaram o aumento nos preços, com altas de 24,2% e 21,4%, respectivamente. Já as outras três categorias apresentaram deflação: os produtos de "Games" caíram 21,5, enquanto os "Brinquedos" tiveram retração de 18,5%. Os "Eletrodomésticos" apresentaram a maior baixa nos presentes de Natal , de 2,5%.


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.