Tamanho do texto

Luisa María Alcalde, secretária do Trabalho e da Previdência Social do novo governo mexicano, anunciou aumento de 16,2% no salário mínimo geral

México anunciou reajuste do salário mínimo, e ministra fala em
Divulgação/Twitter
México anunciou reajuste do salário mínimo, e ministra fala em "quitar dívida histórica" com os trabalhadores

O governo, empresários e sindicatos do México chegaram a um acordo nesta segunda-feira (17) para aumentar em 16,2% o salário mínimo geral, passando de 88,36 pesos por dia (o equivalente a R$ 17,14) para 102,68 (o que equivale a R$ 19,92) a partir de janeiro de 2019. Com isso, a secretária do Trabalho e da Previdência Social, Luisa María Alcalde, afirma que o país vai "quitar a dívida histórica" que tem com os trabalhadores.

Leia também: Espanha terá salário mínimo de R$ 4.650 em 2019

O anúncio do acordo firmado pelo governo de Andrés Manuel López Obrador, que tomou posse no início do mês, foi feito pela secretária do Trabalho e da Previdência Social. O reajuste do  salário mínimo  mexicano foi celebrado por ela no Twitter.


"Para 2019, o mínimo será fixado em 102,68 pesos e em 176,72 na área livre da fronteira norte. É um aumento de 16,21% em relação a 2018", indicou a secretária. Em evento com a presença do presidente e representantes da indústria e dos sindicatos, Alcalde afirmou que o reajuste, maior do que os 10,4% do ano passado, é o início de um "caminho de recuperação progressivo, responsável e sustentável" do rendimento básico dos cidadãos mexicanos.

A medida quita uma " dívida histórica " com os trabalhadores que recebem menos no país, fazendo com que eles recebam um salário digno e atinjam a linha de bem-estar do Conselho Nacional de Avaliação da Política de Desenvolvimento Social, segundo a secretária.

Ela também comemorou o rápido consenso entre as partes para chegar ao reajuste salarial, tema que costuma travar disputas no México, sob a justificativa dos empresários de que poderia atingir a inflação local.

Leia também: Equipe de Bolsonaro está muito focada no Mercosul, diz chanceler do Brasil

No Twitter, a Confederação Patronal da República Mexicana (Coparmex) demonstrou apoio ao reajuste do mínimo no país – que é um dos mais baixos da América Latina – e disse que a decisão é o primeiro passo para uma mudança de cultura profunda.


Leia também: Merkel avalia que Bolsonaro dificulta acordo entre União Europeia e Mercosul

De acordo com as projeções demográficas para 2018, realizadas a partir do censo realizado em 2010, o México tem 124,7 milhões de habitantes, sendo que, há dois anos, 43,6% da população vivia em situação de pobreza. Além desse dado ser alarmante, o salário mínimo mexicano segue sendo um dos menores da America Latina, mesmo com o reajuste.